Tamanho do texto

Estatal pede ressarcimento de R$ 452 milhões à Engevix e à Mendes Júnior; em outras ações, empresa quer reembolso de R$ 826 milhões da Camargo Corrêa, OAS e Galvão Engenharia

A Petrobras entrou na Justiça para tentar reaver parte do prejuízo que teve nos últimos anos como consequência de desvios da estatal, investigados na Operação Lava Jato. Em cinco ações contra um total de cinco empresas citadas no esquema de corrupção, a estatal pretende ser indenizada em cerca de R$ 1,2 milhão.

Leia mais:
Petrobras tem prejuízo de R$ 21,6 bilhões e perda de R$ 6 bilhões com corrupção

De acordo com nota divulgada pela Petrobras, nesta sexta-feira (8), "as ações se somam a um conjunto de medidas que estão sendo adotadas para garantir o ressarcimento integral dos prejuízos sofridos pela companhia, inclusive aqueles relacionados à sua reputação, e reforçam o compromisso da companhia em cooperar com as investigações".

O montante, no entanto, é irrisório se comparado às perdas totais da empresa no ano passado. Balanço anual mais recente da Petrobras, divulgado em 22 de abril, mostra que a estatal teve prejuízo de R$ 6,2 bilhões somente como consequência da corrupção no ano passado.

Veja os políticos que estão na lista da Operação Lava Jato:

Total de R$ 1,2 milhão para ser recuperado
As duas primeiras ações da Petrobras contra empreiteiras citadas na Lava Jato foram abertas em 30 de abril e 8 de maio, contra a Engevix e a Mendes Júnior, e pede ressarcimento de R$ 452 milhões. O montante considera reparos, por danos materiais e multa, referentes a pagamentos indevidos relacionados a contratos com as duas empresas. 

Leia também:
Petrobras: supersalário de diretores custa 46% a mais em 2014
Petrobras é vítima da corrupção, afirma presidente do BNDES

A Petrobras ainda entrará, nas próximas semanas, com outras três ações como co-autora, nas quais pedirá reparação de R$ 826 milhões à Camargo Corrêa, OAS e Galvão Engenharia.

Durante os processos, ainda devem ser estabelecidas mais indenizações das empreiteiras e executivos à estatal, relativas a danos morais. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.