Tamanho do texto

O ato dos Revoltados Online estava previsto para começar às 11h, mas o caminhão de som atrasou e só chegou meio dia

Com diária de R$ 8 mil, caminhão de som foi pago por cerca de 40 integrantes do Revoltados Online
Maíra Teixeira/iG
Com diária de R$ 8 mil, caminhão de som foi pago por cerca de 40 integrantes do Revoltados Online

"Aqueles que achávamos que seriam nossos líderes, FHC, Aécio e Álvaro Dias estão escondidos", disse Wilson Gandolfo Filho, empresário e integrante do grupo Revoltados Online. De acordo com o manifestante, é preciso ir às ruas contra a corrupção.

"Queremos o impeachment da Dilma, o fim das urnas eletrônicas, que o governo dos Estados Unidos já comprovou que a empresa que faz as urnas frauda os votos. Queremos o Toffoli fora do STF", afirmou. Em linhas gerais, o movimento pede que o os políticos venham para as ruas lutar com o povo e não fiquem nos caminhões de som.

LEIA MAIS:  Manifestantes contrários ao governo federal voltam às ruas neste domingo

O ato dos Revoltados Online estava previsto para começar às 11h, mas o caminhão de som atrasou e só chegou meio dia. Em razão do atraso, o evento só começou por volta das 13h30, com o Hino Nacional. O grupo se concentra na região da Avenida Brigadeiro Luiz Antônio, esquina com a Avenida Paulista, em São Paulo.

Segundo Marcelo Reis, líder do Revoltados Online, o movimento é apartidário e a estrutura montada para o ato deste domingo (12) foi divido por cerca de 40 pessoas. O aluguel do caminhão de som custou R$ 8 mil de acordo com ele.

Trânsito

Por volta das 12h30, todas as estações de metrô permaneciam abertas. O acesso à Avenida Paulista pela Avenida Brigadeiro Luiz Antônio está fechado na altura da Alameda Santos. No início da tarde, a Paulista permanecia aberta, mas a CET sinalizou que deve fechar a avenida conforme começarem a chegar mais manifestantes. A quadra do MASP já está fechada para carros. A ciclo faixa de domingo segue funcionando. Poucos carros circulam no local.

IMAGENS: Veja fotos dos protestos contra o governo Dilma pelo Brasil:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.