Tamanho do texto

Argumento é que PT e PSDB não representam ideais do grupo, que deve oficializar sua decisão em uma reunião na quarta

Brasil Econômico

A tendência hoje dentro da Rede, grupo liderado pela presidenciável Marina Silva (PSB), é pela neutralidade no segundo turno da eleição presidencial. O argumento é que nenhum dos dois partidos que se enfrentam nesta fase da disputa representa os ideais do grupo, que deve oficializar sua decisão em uma reunião por teleconferência na proxima quarta-feira (08). Um de seus integrantes destaca a questão ambiental como um dos motivos para a decisão de não apoiar o candidato do PSDB.

Minas, governada por Aécio Neves e seus aliados há mais de uma década, concentra os piores índices do País no tema. Segundo o aliado de Marina, os dados de desmatamento mineiros chegam a ser mais graves até do que nos estados amazônicos. São Paulo, governado por tucanos há pelo menos duas décadas, sofre com a grave crise de abastecimento de água.

Mais: Aécio pode alterar programa de governo para garantir o apoio de Marina

Entrevista de Marina Silva, em 2013, na sede da Rede Sustentabilidade, em Brasília,
Divulgação
Entrevista de Marina Silva, em 2013, na sede da Rede Sustentabilidade, em Brasília,


Para a Rede, os resultados da eleição deste ano demonstram que o grupo tem razão ao apontar um desapontamento da população com a política tradicional, mesmo com os resultados positivos que alguns líderes conservadores conseguiram. Para um de seus integrantes, o descontentamento pode ser constatado pelo alto índice de abstenções e votos brancos e nulos. Avaliam que, ao se juntar a Aécio ou Dilma, a Rede perderia interlocução com esse eleitorado. Redistas citam como exemplo o Podemos, partido político formado neste ano na Espanha, que obteve cinco cadeiras no Parlamento Europeu, quatro meses depois de ser criado. Em 2011, o conservador PP, do primeiro-ministro Mariano Rajoy, conseguiu vencer uma eleição com alta abstenção. A avaliação foi que a descrença com o discurso político tirou mais votos da esquerda do que dos políticos de direita naquela disputa.

Veja também : Marina sinaliza apoio a Aécio, mas diz que decisão ainda será discutida

Petistas desconfiados de pesquisas

A campanha derrotada do petista Alexandre Padilha ao governo de São Paulo listou cinco eleições seguidas em que institutos de pesquisa deram índices de voto divergentes ao PT entre a última pesquisa, a boca de urna e o resultado final. Líderes do partido disseram estranhar, agora, o fato de Padilha aparecer no último levantamento, às vésperas da eleição, com 13%, alcançar 20% na boca de urna e, ao final, ter 18%. Em média, o PT teria tido entre cinco e oito pontos a menos nas últimas pesquisas - em relação às votações finais -, de acordo com dirigentes do partido. Padilha disse não acreditar em má-fé, mas acha que algo precisa “ser revisto”.

Pai e filho influentes

Eleito vice-governador de São Paulo, o deputado Márcio França (PSB) usou a proximidade com a próxima equipe do Palácio dos Bandeirantes para ajudar a eleger o filho Caio França deputado estadual. Em material enviado a eleitores, lembrava que o jovem terá um canal direto com o governador Geraldo Alckmin (PSDB). Segundo ele, com isso, poderá conseguir mais benefícios para São Vicente, cidade no litoral paulista que é reduto dos França.

Marineiros comemoram derrota de Penna

Apesar da tristeza com a derrota de Marina Silva (PSB) no primeiro turno das eleições presidenciais, militantes da Rede arrumaram um motivo para comemorar o resultado da disputa de domingo. O deputado federal José Luiz Penna (PV-SP) não foi reeleito. Presidente nacional do partido, ele é apontado como o principal responsável pela saída de Marina do PV, após a eleição de 2010.

Psol perto da meta

O PSOL conseguiu chegar bem próximo de sua meta na eleição deste ano para o Congresso Nacional. Pretendia dobrar o número de deputados federais. Atualmente, são três. Chegou a cinco. Reelegeu os dois do Rio (Chico Alencar e Jean Wyllys) e o de São Paulo (Ivan Valente). E conseguiu ainda mais um no Rio (Cabo Daciolo) e outro no Pará (o ex-prefeito de Belém Edmílson Rodrigues). O PSOL não estavam lá muito preocupado coma eleição para o Senado. Já considerava a única candidata filiada ao partido que tinha alguma chance, a ex-senadora Heloísa Helena, como integrante da Rede. Assim como o atual senador Randolfe Rodrigues (AP).

“É quem em Minas o Aécio é bem conhecido'' -  Roberto Amaral, presidente do PSB, ao brincar com o vereador Andrea Matarazzo, no programa Canal Livre, sobre Aécio Neves não ter ido bem em Minas Gerais

*Com Leonardo Fuhrmann

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.