Tamanho do texto

Autorretrato com eleitor promete ser a nova "arma política" das eleições de 2014; veja os candidatos que já aderiram à moda

Depois dos candidatos, as redes sociais ganham o posto do segundo ator mais importante das eleições de 2014. Entre compromissos de agenda, como visitas, cafezinhos e pastéis em feiras, políticos investem pesado nas selfies - autorretratos feitos com smartphone - para conquistar popularidade e "curtidas" na internet. Estes registros prometem ofuscar a tradicional distribuição de apertos de mão e as fotos com crianças no colo, cenas tão comuns do período eleitoral.

Mais:  Eleição presidencial é a mais incerta desde 1989, dizem analistas de mercado

A moda de tirar uma selfie com alguma celebridade ou político famoso e exibir a foto nas redes não é algo novo. A expressão até chegou a ser eleita como a palavra do ano de 2013 do idioma inglês pelo dicionário Oxford . Mas foi ano seguinte que a foto milionária feita pela apresentadora Ellen DeGeneres, reunindo as estrelas do cinema internacional no Oscar, tornou a ação cômica e popularizou algo que não era feito por todo mundo na web.

Galeria: Campanha vira maratona de cafezinhos e petiscos para candidatos

"Voltei!": Perfil 'Dilma Bolada' volta ao ar no Facebook

“As redes sociais estão na política há algum tempo, mas depois do Oscar em abril, a selfie virou a grande moda. E os políticos entenderam que não podem ficar de fora”, avalia Alessandra Sleiman, especialista em redes sociais. Para ela, tirar autorretratos com os eleitores promete ser uma “nova e poderosa arma política”.

Candidato Aécio Neves postou selfie com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso
Instagram/aecionevesoficial
Candidato Aécio Neves postou selfie com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso

A campanha deste ano mal começou e candidatos, como a presidente Dilma Rousseff (PT), que busca reeleição, e Aécio Neves (PSDB), candidato à Presidência, já compartilharam suas selfies pelo Brasil no Facebook e Instagram.

Especialistas explicam que as redes sociais têm o poder de humanizar os candidatos e aumentar a sensação de interação com eles. Ediney Giordani, CCO e gestor de redes sociais, acredita que a selfie valerá até como forma de protesto, quando feita por um eleitor que não apoia o candidato, por exemplo. “E eles [ políticos ] não poderão fugir muito até porque não querem ser antipáticos.”

Para Giordani, o internauta pode se preparar para uma invasão de autorretratos nas redes. “Se antes as fotos de político com bebê no colo já estavam garantidas, neste ano a moda será tirar selfie com o bebê no colo”, brinca. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.