Tamanho do texto

Henrique Alves dá por encerrada tentativa de afastamento de deputado da presidência da Comissão de Direitos Humanos, mas sinaliza que não vai tolerar declarações polêmicas

Após reunião com líderes partidários e o deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), o presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (PMDB-AL) afirmou que espera um “comportamento decente" e compatível com o cargo exercido pelo pastor e líder da igreja evangélica Assembleia de Deus Catedral do Avivamento no comando da Comissão de Direitos Humanos. “O discurso e a prática dele aqui não podem ser diferente fora daqui”, afirmou Alves.

Leia também: Em reunião de líderes, Feliciano volta atrás e diz que fará reuniões abertas

Antes da reunião de líderes: Feliciano diz que manterá reuniões fechadas

Vídeo : Feliciano diz que Deus ‘matou’ John Lennon e Mamonas Assassinas

Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), presidente da Câmara, cobra postura de Feliciano
Agência Câmara
Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), presidente da Câmara, cobra postura de Feliciano

O presidente da Câmara disse que Felciano teve uma “postura equilibrada e serena” durante a reunião em que parte do colégio de líderes pediu sua renúncia . Feliciano recusou sair e disse que ficaria no cargo.

Herique Alves, contudo, pediu a Feliciano para moderar declarações polêmicas. “Ele não pode dissociar sua função de presidente da comissão com a de pastor que prega na igreja evangélica”, disse. “É incompatível o discurso aqui e uma prática diferente fora daqui. Ele tem de falar como presidente de uma comissão que acolhe as minorias.”

Letícia Sabatella: 'Feliciano é uma bênção de Deus. É um mal que vem para o bem'

Leia também: Ministra publica moção de repúdio contra Feliciano

Vídeo: Feliciano diz que Comissão de Direitos Humanos era dominada por ‘satanás’

Reunião fechada: 'Me sinto realizado. Democracia é isso', diz Feliciano

Para convencer Feliciano, Alves argumentou que após assumir a presidência da Câmara tem tomado cuidado para que suas ações não sejam confundidas com a presidente do PMDB no Rio Grande do Norte. O pastor se comprometeu a não dar declarações polêmicas enquanto permanecer à frente da comissão.

Alves também cobrou de Feliciano que as reuniões da comissão sejam abertas . "Aqui é a casa do povo e essa casa tem que ser exemplar no cumprimento das regras", afirmou em referência ao regimento que proíbe sessões fechadas.

O presidente da Câmara disse que não há mais nada que se possa fazer para atender a demanda popular pela saída de Feliciano do cargo, e cada dia seguirá “com sua agonia”. Os líderes entraram em consenso que afastar o pastor seria desrespeitar o regimento interno.

Pelas regras atuais, isso só é possível ao final de um processo no Conselho de Ética por quebra de decoro parlamentar. “Eu não posso ser o ditador da Casa”, disse Alves.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.