Agência Brasil

Renato Duque
Reprodução
Renato Duque

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) mandou soltar o ex-diretor de Serviços e Engenharia da Petrobras, Renato Duque, condenado a 28 de anos de prisão por corrupção passiva descoberta por Lava Jato.

Leia também: 5 condenados da Lava Jato seguem presos após STF derrubar prisão em 2ª instância

Duque está preso preventivamente há quase cinco anos pelas investigações da Operação Lava Jato e deverá cumprir medidas cautelares alternativas, como uso de tornozeleira eletrônica, comparecimento mensal à Justiça e proibição de entrar em contato com os demais investigados.

Pelo entendimento da 8ª Turma, órgão responsável pelo julgamento, não há motivos para manter a prisão preventiva de Renato Duque . De acordo com os desembargadores, o esquema de corrupção na Petrobras foi desarticulado e o ex-diretor não tem mais nenhum vínculo com a estatal. Dessa forma, ele pode responder ao processo em liberdade.

Leia também: Lulinha é afastado da Lava Jato Curitiba e será julgado por Justiça de São Paulo

Ao entrar com habeas corpus no TRF4 , a defesa do ex-diretor argumentou que Renato Duque deveria ser solto por ter confessado os crimes investigados pela Lava Jato e ter devolvido aos cofres públicos valores que mantinha fora do país.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários