Tamanho do texto

Funcionária afirma que joia havia sido emprestada e que acusações de furto começaram quando ela se desentendeu com eles por causa de seu horário

furto joia arrow-options
Reprodução/Facebook
Foto que foi utilizada na acusação do casal

A empregada doméstica Adriana Barreto dos Santos foi condenada por furto de joias , câmeras fotográficas, aparelhos celulares, roupas e outros objetos da casa de seus chefes, em Santos, litoral paulista. Uma foto de seu casamento em que usa uma das joias que teria furtado foi utilizada como prova. A informação é do Uol .

Leia também: UDN: partido extinto há 54 anos pode voltar em dose dupla

A defesa de Adriana nega o furto , argumentando que as peças foram doadas ou emprestadas pelos chefes. Ela afirma que as acusações começaram após ela ter se desentendido com sua chefe em relação aos seus horários. Também diz que outras pessoas tinham acesso à casa.

A juíza Elizabeth Lopes de Freitas, da 4ª Vara Criminal de Santos, condenou Adriana a cumprir dois anos de prisão e pagamento de multa, que foram convertidos em prestação de serviços à comunidade ou entidades públicas, com limitações de fim de semana, por dois anos. Sua defesa, no entanto, recorreu ao Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).

Leia também: Ladrão deixa 'bilhete de agradecimento' após roubar encomenda e ainda faz piada

O chefe de Adriana conta que o casal começou a suspeitar dos furtos quando viram a funcionária utilizando um brinco de sua esposa durante o trabalho. A partir disso notaram desaparecimento de pertences e ao entrar nas redes sociais de Adriana encontraram fotos com os objetos que teria sido furtados.

O casal instalou câmeras de segurança na casa e flagraram a funcionária entrando no quarto deles, local em que ela não era responsável pela limpeza. Adriana afirma que sua chefe havia solicitado que ela entrasse no quarto para procurar um anel e uma corrente que estavam perdidos.

Leia também: Homem é flagrado com símbolo nazista em bar de Minas Gerais

Eles afirmam que notaram os possíveis furtos entre o final de 2017 e agosto de 2018. Contam que por meio de mandados de busca e apreensão foi possível recuperar 30% dos seus pertences. O casal diz que chegou a doar uma televisão à funcionária, mas nega ter emprestado qualquer objeto a ela.