Em área de grande risco, Canil da PM ataca centro de distribuição de drogas

Policiais do Batalhão de Choque em apoio aos PMs da zona sul conseguiram achar esconderijo do tráfico de drogas dentro de favela de São Paulo

O crime organizado possuiu seus esconderijos secretos encravados no meio de comunidades espalhadas pela capital paulista. São milhões de locais que poderiam abrigar todo tipo de material. Para combater essa amodalidade de crime e ferir o esquema milionário que movimento o tráfico de drogas, o Canil da PM realiza um trabalho primordial.
Leia também: Polícia apreende arsenal de guerra que seria entregue em comunidade no Rio

Foto: divulgação/canil da PM
Canil da PM realizou operação de apoio ao Tenente Carvalho Jr. do 27º BPM

"Nessa quinta-feira (1), os nossos homens do Canil da PM foram para área do 27º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano. A ideia inicial era de fazer um patrulhamento de rotina pela área, ali na região de interlagos. Mas lá a situação mudou", diz o Tenente Eduardo Tongu.

De acordo com o Policial, os PMs 27º Batalhão que atuam na área são extremos conhecedores de toda a geografia da comunidade do Iporanga, mas tinham dificuldade de encontrar o local onde a droga era armazenada em grande quantidade. "Montamos, então, uma operação com 15 Policiais do Canil e fomos fazer uma incursão. Os PMs de área sabiam que ali tinha um movimento forte de droga, mas só conseguiam pegar pequenas porções. Com o apoio deles, nós entramos na favela e fomos sendo direcionados para áreas críticas, onde o tráfico opera. Ali é uma região muito perigosa", revela o Tenente Tongu.

A informação que os Policiais tinham era que ali funcionava um centro de distribuição de drogas para várias favelas da região de Interlagos. Não demorou muito e o cães mostraram sua importância.

Leia também: Policiais Militares da ROCAM impedem massacre em jogo

Foto: divulgação/canil da PM
Droga apreendida pelo Canil da PM com as cadelas Debby e Dara

"A cadela Dara conduzida pelo Soldado João Vitor e a Debby que estava com o Cabo Fábio indicaram a presença de algo estranho perto do muro de uma casa. A princípio a residência estava fechada, nós demos a volta para ver se os cães indicavam com mais precisão de onde vinha o odor. Estranhamos que havia um portão com muito arame farpado, isso não é comum nessas vielas", aponta o Tenente.

Os Policiais conseguiram passar por esse portão e viram dois homens saírem correndo pelos fundos da residência. “Eles provavelmente eram os olheiros do tráfico. Dessa casa, eles tinham uma visão ampla de toda a favela e devem ter notado a nossa chegada, só estavam vendo se a gente iria encontrar o esconderijo. No fundo desse local havia três portas e os cães indicaram que ali era onde estava o cheiro. Abrimos esse cômodo e achamos os entorpecentes, material para embalar a droga, balança", finaliza o Tenente Tongu.

Ao todo os Policiais e os cães encontraram 182,85 kg de maconha, divididos em mais 29.499 unidades. A droga foi encaminhada para o 101º Distrito Policial, onde a ocorrência foi apresentada.


Quais são as raças de cães que a PM usa? 

São seis raças: Pastor Alemão, Pastor Holandês, Pastor Belga Malinois, Rottweiler, Bloodhound e Labrador. As missões de cada raça são divididas de acordo com suas habilidades específicas, como: faro, resistência, inteligência, agressividade, etc...

Leia também: Faro do Canil do Batalhão de Choque impede o refino de drogas em São Paulo

Um Labrador, por exemplo, não é indicado para fazer policiamento ostensivo, porque geralmente não possui a agressividade necessária. Normalmente, o Labrador é usado para farejar entorpecentes e explosivos. Já o Pastor Belga Malinois é utilizado pelo Canil da PM para policiamento e também faro. O Bloodhound tem aptidão para busca de pessoas.

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/policia/2018-03-02/canil-da-pm.html