Barricadas proliferam no Rio e obrigam policiais a operar escavadeiras

Só em 2022, foram registradas 10.464 denúncias sobre barricadas construídas nos acessos a comunidades, impedindo o ir e vir das pessoas sem autorização de bandidos.

Reprodução TV Globo

E essas barricadas chegam cada vez mais perto dos bairros. Já há locais que recebem os obstáculos mesmo não sendo favelas.

Reprodução TV Globo

Os bandidos usam de tudo: ferro, lixo latões, entulho, móveis velhos, pneus.

Reprodução TV Globo

Em alguns locais, eles preferem abri valas, em vez de instalar obstáculos. Deixam a rua intransitável com buracos profundos de uma calçada à outra.

Reprodução TV Globo

Os bandidos usam vigas de aço chumbadas no concreto, com profundidade de até 1,5 metro, dificultando muito a retirada por parte dos policiais.

Reprodução TV Globo

Essas barricadas mais 'sofisticadas' têm até fechadura que a polícia precisa abrir usando uma ferramenta específica para destravar uma garra.

Reprodução TV Globo

Os obstáculos têm materiais pontiagudos para evitar que veículos tentem empurrar.

Reprodução TV Globo

Em alguns pontos, bandidos também aproveitam para cobrar 'pedágio' para a passagem de moradores diante de barricadas mais simples. Se pagarem, ele remove o obstáculo para liberar a passagem.

Reprodução TV Globo

A Polícia Militar tem atuado cada vez mais nesse 'serviço extra', que tira o foco do patrulhamento tradicional e do combate aos criminosos para que o tempo seja usado na remoção de obstáculos.

Reprodução TV Globo

Há policiais que passam boa parte do tempo de serviço em retroescavadeiras removendo barricadas - algo que eles dizem que nunca esperaram ter que fazer.

Reprodução TV Globo

Em 2022, a Polícia Militar retirou das ruas pelo menos 716 toneladas de detritos após a derrubada de barricadas. Isso equivale a 36 caminhões abarrotados de entulho.

Reprodução TV Globo

No Jardim América, no subúrbio do Rio, barricadas feitas de concreto têm até um buraco para que o bandido coloque o fuzil para tirar em policiais.

Reprodução TV Globo

Os tiroteios são frequentes e marcas de tiros ficam nas paredes das casas.

Reprodução TV Globo

Além de expor os agentes ao perigo e dificultarem a rotina dos moradores, as barricadas impedem a entrada de carros de serviço. Funcionários de empresas de luz, por exemplo, precisam pedir autorização para entrar.

Reprodução TV Globo

As ambulâncias, que ficam com as luzes e sirenes ligadas quando estão em serviço de socorro, precisam desligar tudo ao se aproximarem de uma barricada. Nem os faróis podem ficar acesos.

Reprodução TV Globo

As barricadas estão proliferando não apenas em favelas do Rio, mas também de municípios da Região Metropolitana.

Reprodução TV Globo