As delícias e os perigos das praias de água doce

Turistas curiosos ficam tentados a entrar nas águas para curtir a temperatura e a beleza natural.

Imagem Free de ramison por Pixabay

Mas, dependendo da região, é importante contar com guias que conheçam bem a floresta e os rios. Isso evita problemas e acidentes.

jullyanadamasceno2 - Flickr

Fazendo tudo certinho, dá pra curtir - e muito - a exuberância da Natureza.

Neywerson wikimedia commons

A Praia do Tupé, a 30 km de Manaus, é uma das mais cotadas. Tem areia branquinha, que contrasta com as águas escuras do Rio Negro. E fica numa Reserva de Desenvolvimento Sustentável.

Clóvis Miranda/Divulgação agenciaamazonas.am.gov.br

A Praia do Içatuba fica em Iranduba, a 27 km de Manaus), e é considerada uma das mais belas da região. Durante o período de seca, forma-se uma extensa faixa de areia branca e as escuras águas do rio Negro ganham um tom azulado .

Larissa Holanda/Divulgação agenciaamazonas.am.gov.br

A Praia Grande, no município de Barcelos, a 399 km de Manaus, é uma das principais atrações da cidade, que também tem lagoas, florestas inundadas, numa região de ilhas bem exuberante.

Frank Garcia/Divulgação agenciaamazonas.am.gov.br

A Praia Ponta da Maresia, no município de Maués, a 276 km de Manaus, é um dosa cartões postais do Amazonas, com seu belo pôr do sol alaranjado.

Reinaldo Santos/Divulgação agenciaamazonas.am.gov.br

A Praia da Ponta Negra, em Manaus, a 13 km do centro da capital amazonense, se estende por 2 km com uma série de atividades ao ar livre, além do rio Negro como atração.

Ivo Brasil/Divulgação agenciaamazonas.am.gov.br

Toda a beleza do Amazonas, porém, também pode requerer cuidados. No canal de Eliezer Tyminak no YouTube, o parceiro dele, Alex, comentou que, certa vez, ao dizer que entraria para se banhar no rio, foi alertado pelo guia de que ali havia sucuris, uma espécie de cobra.

Rodrigo F. Neri - Flickr

Alex disse que, inicialmente, pensou que era brincadeira. Mas era verdade. Ele se livrou do perigo graças à orientação.

Jorge Nunes de Oliveira Filho wikimedia commons

Por isso, o FLIPAR também mostra aqui alguns perigos da Amazônia, em terra e na água, que mostram a necessidade de não se aventurar por locais sem conhecimento.

Neil Palmer

Piranhas - Peixes carnívoros que medem de 14 a 26cm - podendo, em alguns casos, chegar à faixa de 40 cm - com dentes afiados em ambos os maxilares.

Imagem de Rethinktwice por Pixabay

Sucuris - São serpentes de grande porte, que têm extrema força, tanto na mordida como na imobilização da presa.

LA Dawson

Enguias elétricas - Chamadas de poraquês, podem chegar a dois metros de comprimento e 20 quilos. Dá choques que variam de 300 a 860 volts. Poraquê, em tupi, é "o que faz dormir", pois a pessoa desmaia com a descarga elétrica.

KoS wikimedia commons

Formiga bala - Também chamada de Formiga-cabo-verde, tem 10 a 25 mm, cor avermelhada escura e tem uma picada tão dolorosa que o entomologista Justin Schmidt, que classificou as picadas, disse que a dela é 4+, ou seja, ultrapassa o máximo, que é 4 na tabela.

Hans Hillewaert wikimedia commons

Aranha armadeira - Também chamada de errante ou bananeira. É grande (do tamanho de uma mão) e agressiva. Com patas grossas e peludas, é veloz. E é uma das espécies mais tóxicas. Seu veneno causa paralisia, dor intensa e pode matar por impedir a respiração.

Rodrigo Tetsuo Argenton wikimedia commons

Cascavel - Cobra peçonhenta que é muito conhecida por ter um chocalho na cauda

Luciano Marra FlickR

Sapo ponta de flecha - Este anfíbio tem apenas 2,5 cm, mas é mortal. Encontrado em diversas cores vibrantes (azul, vermelho, verde, etc), ele lança um veneno capaz de matar 10 homens com apenas 40 microgramas de toxina.

Freetoast wikimedia commons

Onça - Terceiro maior felino do mundo, só perdendo para o tigre e o leão. É muito afeita a ambientes de floresta tropical e gosta de nadar. Ou seja, perigo na terra e na água.

lanZA pixabay