Tamanho do texto

São procurados homem que ajudou suspeita a alugar casa onde grupo se alojava e especialista em explosivos

A polícia da Tailândia informou nesta sexta-feira que procura outros dois suspeitos de envolvimento na célula terrorista iraniana desativada na terça em Bangcoc. Segundo o governo tailandês, os terroristas planejavam lançar atentados contra diplomatas israelenses .

Acusação: Diplomatas de Israel eram alvo de iranianos, diz Tailândia

Policiais tailandeses fazem patrulha no aeroporto Thai de Suvarnabhumi, em Bangcoc
AP
Policiais tailandeses fazem patrulha no aeroporto Thai de Suvarnabhumi, em Bangcoc
Tensão: Israel: Bombas da Tailândia eram similares às usadas na Índia e Geórgia

O chefe da polícia tailandesa, Winai Thongson, indicou que as buscas têm como alvo um homem que alugou juntamente com uma mulher chamada Rohani Leila, que também é procurada, a casa na capital tailandesa onde o grupo se alojava. Na quinta-feira, a polícia anunciara a procura de homem de cerca de 50 anos que foi filmado pelas câmeras de segurança saindo da casa com uma mala horas antes da primeira explosão no imóvel.

O suspeito, que foi visto entrando e saindo várias vezes do local durante todos os dias da última semana, é tido pela polícia como um especialista em explosivos que ensinava os outros membros da célula a fabricar bombas , segundo informou o periódico The Nation.

Os corpos de segurança detiveram até o momento três cidadãos iranianos, dois deles em Bangcoc, na terça-feira, e o terceiro no dia seguinte, em Kuala Lumpur, na Malásia, aonde chegou de avião desde a capital tailandesa.

Os dois primeiros são Saeib Morabi, de 28 anos, que feriu as duas pernas quando a granada que levava explodiu, e Mohammad Hazei, de 42 anos, preso no aeroporto quando tentava sair do país rumo à Malásia. O terceiro é Masoud Sedaghatzadeh, de 31, detido em Kuala Lumpur quando aguardava um voo a Teerã.

A mulher identificada como Rohani Leila, de 32 anos, seria também integrante do grupo. Ela entrou na Tailândia com os outros três, mas retornou ao Irã em 5 de fevereiro após alugar a casa. Acredita-se que ela deixou o país.

A célula foi descoberta na terça-feira, depois que uma explosão atingiu uma casa onde o trio se alojava, o que o forçou a fugir. Uma operação no imóvel permitiu à polícia descobrir explosivos preparados para ser colocados em carros, assim como ocorreu nos últimos atentados contra diplomatas israelenses na Índia e Geórgia .

*Com EFE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.