Tamanho do texto

Iván Heyn, que participava de reunião do Mercosul, foi encontrado morto em hotel

Iván Heyn participava de reunião do Mercosul
AP
Iván Heyn participava de reunião do Mercosul
O subsecretário de Comércio da Argentina, Iván Heyn, que participava nesta terça-feira de uma reunião presidencial de cúpula do Mercosul, em Montevidéu, foi encontrado enforcado em um hotel do centro da cidade, levantando suspeitas de que possa ter cometido suicídio. O anúncio da morte abalou o encontro do Mercosul que se desenvolvia desde o meio-dia na capital uruguaia. Heyn, de 33 anos, foi encontrado morto "por volta das 15 horas" por um funcionário do hotel que avisou à polícia, disse José Luis Rondán, chefe das Relações Públicas da Polícia de Montevidéu, em entrevista à imprensa.

A "morte foi por enforcamento aparente" com um cinto, mas ainda não se pode "determinar se foi suicídio", já que o caso passou para o âmbito policial e judicial. Uma fonte ligada ao caso disse à AFP, sob anonimato, que Heyn estava nu e morto há mais de seis horas quando foi encontrado."Ele se matou no hotel Radisson", disse um funcionário do governo uruguaio, que preferiu não ter o nome revelado, acrescentando que a presidente argentina, Cristina Kirchner, chegou a ser atendida por uma equipe médica, na sede do Mercosul, depois de uma crise nervosa ao saber da notícia.Segundo o juiz encarregado do caso, Homero da Costa, "não há sinais de violência" no corpo de Heyn, o que leva a crer em suicídio ou morte acidental.Em torno do hotel Radisson, onde se hospedam os presidentes que participam da cúpula do Mercosul, foi reforçada a segurança no décimo andar, onde a Polícia Técnica realiza seus trabalhos, comprovou a AFP.Pouco antes da divulgação da notícia, foi suspensa a realização da foto oficial do encontro presidencial, no prédio onde fica a sede do Mercosul.

Heyn, de 33 anos, era economista e líder do grupo juventude peronista La Cámpora, do qual participa Máximo Kirchner, filho mais velho da presidente argentina.Ex-dirigente da Federação Universitária argentina, ocupou outros cargos no ministério da Economia durante a primeira presidência de Cristina Kirchner e havia assumido há dez dias a subsecretaria de Comércio Exterior.Foi presidente da estatal Corporación Antiguo Puerto Madero (de desenvolvimento urbano) a partir de julho de 2010, e entre 2009 e 2011 gerenciou estudos macroeconômicos no Banco de Investimento e Comércio Exterior.Além disso, trabalhou como subsecretário de Indústria do ministério da Economia e Produção, entre maio de 2008 e janeiro de 2009, no primeiro mandato de Cristina Kirchner.Formado em Economia na Universidade de Buenos Aires, Heyn viajou na semana passada a Montevidéu para participar de reuniões técnicas preparatórias à cúpula do Mercosul.O grupo debatia, nesta terça-feira, uma solução jurídica para o ingresso da Venezuela, freado pelo Parlamento paraguaio, e medidas a serem tomadas ante a crise financeira internacional.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.