Tamanho do texto

Por Marco Aquino e Louise Egan TRUJILLO, Peru (Reuters) - As principais autoridades econômicas de países da região do Pacífico deram início nesta quarta-feira a um encontro, no Peru, que pode ajudar a estabelecer as bases para uma reestruturação da arquitetura financeira do mundo.

Estarão presentes ao encontro de dois dias, na cidade peruana de Trujillo, autoridades do Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec, na sigla em inglês), que inclui uma ampla gama de nações, como Estados Unidos e Canadá, pesos-pesados asiáticos como China e Coréia do Sul, além de México e Chile, as economias mais abertas da América Latina.

Os planos de ação formulados neste encontro podem ajudar a definir os parâmetros para a reunião de líderes mundiais que acontecerá em Washington, nos dias 14 e 15 de novembro, convocada para explorar as possibilidades de reforma da arquitetura financeira mundial, que é dominada por instituições estabelecidas após a Segunda Guerra Mundial.

No encontro no Peru, o Banco Mundial irá pedir uma expansão do clube que reúne as nações mais desenvolvidas do mundo, o chamado G8, para incluir economias de rápida expansão como China, Índia, Brasil, México, Arábia Saudita e África do Sul.

"A idéia de um G8 acrescido desses seis países representa 62 por cento do PIB (Produto Interno Bruto) global", afirmou Juan Jose Daboub, diretor-gerente do Banco Mundial.

"Estes são os países que mais podem atuar, que podem tomar medidas de ajuda, portanto, é importante que eles estejam à mesa quando decisões forem tomadas."

O G8 inclui EUA, Canadá, Japão e Rússia --que estão representados no encontro em Trujillo. Os outros membros são Grã-Bretanha, Alemanha, França e Itália. O G8, em seus encontros anuais, tenta estabelecer o melhor caminho para a economia mundial.

Daboub disse que o presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick, vai levar a proposta de expansão do G8 à reunião de líderes em Washington, que acontece sob a tutela do G20, grupo das 20 economias mais industrializadas do planeta.

O principal defensor de uma reforma da estrutura financeira do mundo é o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, que disse que as economias emergentes mais ricas devem apresentar contribuições para o Fundo Monetário Internacional (FMI) para ajudar as nações em desenvolvimento mais pobres.

O encontro de Washington é visto como uma possível oportunidade para reestruturar instituições financeiras como o Banco Mundial, criado após o encontro de Bretton Woods, em New Hampshire, em 1944.

PRÓXIMA PARADA: SÃO PAULO

De Trujillo, no norte do Peru, diversas autoridades seguirão para São Paulo, para encontros do G20 e do Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês), o banco central dos bancos centrais.

Os dois encontros na capital financeira do Brasil podem dar uma luz sobre a agenda da reunião em Washington.

O objetivo inicial do encontro de autoridades financeiras da Apec era estabelecer as bases para o encontro de líderes do Fórum que acontecerá em Lima entre os dias 19 e 23 de novembro. Mas o encontro, marcado com muita antecedência, acabou coincidindo com as turbulências vividas pelos mercados.

Ao redor de todo o mundo, os pedidos por ajuda e reformas se intensificaram à medida que os mercados de ações e dívida despencaram este ano --o que forçou os principais bancos centrais a injetar bilhões de dólares no sistema financeiro para evitar um colapso do crédito, que começou a sofrer a partir da crise de hipotecas de alto risco (subprime) nos EUA.

A Apec defende, historicamente, o livre-comércio e a liberdade dos mercados, mas alguns membros querem agora adotar regras mais rígidas.

Diversos membros do Fórum --da Rússia ao México, passando por países da Ásia-- sofreram crises severas no final da década de 1990 e, apesar de estarem em situação melhor agora, os pesadelos do passado ainda os amedronta.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.