Tamanho do texto

Após gastar US$ 2 milhões e ter de cumprir pena por gastar dinheiro do banco, australiano quer se tornar advogado e ajudar presidiários; veja

Luke Brett Moore gastou $2 milhões do banco depois de receber crédito ilimitado devido a falha técnica
Facebook
Luke Brett Moore gastou $2 milhões do banco depois de receber crédito ilimitado devido a falha técnica

A vida do australiano Luke Brett Moore mudou completamente quando seu banco cometeu uma falha e o autorizou a realizar saques sem limites. Moore, que estava desempregado, abriu sua conta bancária em 2010, quando tinha 22 anos. A princípio, usou o dinheiro extra para pagar dívidas e sua hipoteca, mas logo percebeu que poderia fazer muito mais.

MAIS EM:  Chefe de quadrilha de roubo de carros-fortes é preso no interior de SP

Com todas suas contas pagas, decidiu comprar um Hyundai Veloster e dirigiu por 195 km para comprar mais um carro: um Maseratti. Depois disso, se mudou e tentou abrir seu próprio negócio, mas gastou a maior parte de seu tempo e dinheiro em festas. “Eu ia a clubes de strip-tease e gastava centenas de milhares de dólares em mulheres, álcool, cocaína e qualquer outra coisa”, disse em entrevista à "BBC".

Luke Brett Moore comprou todos os tipos de lembranças de celebridades, como uma camisa autografada por Michael Jordan, um disco autografado por Michael Jackson e uma pele de bateria autografada por Amy Winehouse. No total, ele gastou quase US$2 milhões em 50 saques e transações.

Prisão

Em 2012, foi acusado de obter vantagem financeira através da enganação e de usar conscientemente o valor procedente do crime. Ele foi sentenciado à pena máxima de quatro anos e meio na prisão. “O juiz disse que eu fui desonesto, mas nós não vivemos em uma sociedade na qual falhas morais levam à prisão e perda de liberdade”, diz Luke sobre seu julgamento.

MAIS EM:  Criminosos são detidos após manter senhora refém na zona oeste de São Paulo

 “É horrível na cadeia. Você está longe de sua família e trancado em uma cela por 17 horas ao dia”. Ele acredita que o tempo que passou na prisão foi o pior de sua vida e completa “a comida é bem suspeita e você se associa a pessoas bem pesadas”. Mas apesar da longa sentença, Luke foi solto após seis meses quando uma apelação determinou que ele não era legalmente obrigado a avisar o banco do que estava acontecendo.

Agora, passados seis anos desde que recebeu o dinheiro, Luke Brett More, 27, está determinado a estudar para se tornar advogado. Sobre sua experiência, diz “minha vida toda quase foi arruinada. Só agora eu pude transformar minha experiência de forma positiva”. Como advogado, ele quer ajudar aqueles que estão presos, como ele já esteve um dia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.