Tamanho do texto

Por Jonathan Lynn GENEBRA (Reuters) - Membros da Organização Mundial do Comércio (OMC) renomearam Pascal Lamy como diretor-geral da entidade para um segundo mandato de quatro anos, informou o organismo nesta quinta-feira.

O francês de 62 anos era candidato único para chefiar o órgão que rege o comércio mundial e foi aprovado por consenso em um encontro do Conselho Geral da OMC.

Foi a primeira vez nos 15 anos de OMC que uma candidatura não teve adversários.

O primeiro mandato do maratonista e ex-chefe de comércio da União Europeia foi dominado por esforços para concluir a rodada de Doha da OMC, que já tem sete anos e visa liberalizar o comércio mundial e ajudar os países pobres a prosperarem através das exportações.

Lamy argumenta que concluir a rodada é a maior prioridade da OMC.

"Além das concessões necessárias para concluir a rodada de Doha e também além do acesso ao mercado que ela trará, está o seu importante valor sistemático", afirmou Lamy ao conselho na quarta-feira.

"O maior prêmio da rodada de Doha é a certeza, previsibilidade e estabilidade que ela trará ao comércio global. É em um momento de crise como o que testemunhamos hoje que o valor dessas políticas de segurança aumenta", acrescentou.

Lamy, cujo novo mandato será iniciado em setembro, disse ao conselho que o órgão de 153 membros precisa avaliar outros assuntos, como mudança climática, segurança alimentar, energia, trabalho e protecionismo financeiro.

Mas um trabalho sério sobre essas questões não deve começar até que a tarefa imediata de atingir um acordo da rodada de Doha esteja próximo. Ele estimou que 80 por cento do acordo de Doha está pronto.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.