Tamanho do texto

Um jornal chinês pode ser punido por publicar uma fotografia com vítimas dos protestos da Praça da Paz Celestial, em 1989. A foto mostra homens feridos na parte de trás de um triciclo e foi publicada nas páginas internas do Beijing News sob o título Os Feridos, para ilustrar uma entrevista com o fotógrafo Liu Xiangcheng, autor da fotografia.

O jornal foi retirado das bancas, e parte do seu website foi bloqueada depois que a foto foi publicada.

Os protestos de estudantes da Praça da Paz Celestial e a reação violenta das autoridades contra os manifestantes ainda são um tabu na China continental.

Os livros escolares não mencionam o evento, e a imprensa nacional está proibida de publicar artigos sobre o assunto. Buscas nos principais sites por "Tiananmen", que quer dizer "Paz Celestial" em chinês, resulta em links bloqueados.

Em 4 de junho de 1989, a liderança chinesa permitiu o uso da força para dispersar milhares de manifestantes que estavam acampados há várias semanas em frente à sede do governo, na Praça da Paz Celestial de Pequim, pressionando por mais mudanças democráticas.

A ação militar expulsou os manifestantes que se recusaram a sair, matando centenas ou até milhares de pessoas. Não há um número preciso de mortes, mas estimativas variam entre trezentos e quatro mil.

O governo comunista oficialmente classifica as demonstrações de 89 como "contra-revolucionárias" e nunca divulgou detalhes sobre o evento. Em 2005, Pequim rejeitou pedidos de dissidentes para rever a questão de Tiananmen e dar maior abertura ao debate.

O governo chinês também mantém um controle rígido sobre a mídia.

Em maio deste ano, o governo fechou uma revista que publicou um ensaio de fotos de modelos seminuas em meio aos destroços do terremoto que atingiu a província de Sichuan e deixou mais de 65 mil mortos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.