Tamanho do texto

Aí, cá e lá, esteve e estiveram: Raloim e Halloween. Um bruxo bom, desses que sentam ao lado da gente no pub, me deu o dado vital.

Mercantilismo. Sem dúvida. Vender é a alma do negócio. Nossas almas, vossos negócios. O bruxo bom me explicou como a véspera de Todos-os-Santos atravessou o Atlântico e aqui fincou suas garras.

A maior cadeia de supermercados do Reino Unido é a Asda. A Asda pertence ao americaníssimo Wal-Mart. Que bons de bola, além de "peças" e bombocados (tricks or treats no original), perceberam o quanto não dava para se faturar.

Que oportunidade, meu bom Drácula! Meu divino monstro de Frankenstein! Assim é pois, que, a cada ano, a Wal-Mart fatura alguns bilhões (sim, bilhões. Não é truque ou "peça") nos Estados Unidos com o Raloim local. A sutil estratégia chegou à vasta cadeia Asda britânica e tome polca. Ou tome barra de chocolate.

***
Por uma dessas coincidências que faz a gente acreditar que há uma abóbora maior, lá nos céus, zelando por nós (vida a falecida tira Minduim, ou Peanuts, do Charles Schulz), também no dia 31 entrou em circuito o novo filme de James Bond. Solécio de um Quântico, creio que seja seu nome, em tradução de masmorra.

Tenho acompanhado com interesse a promoção midiatica. Vi o primeiro 007 com esse indivíduo, Daniel Craig, conforme se diz chamar, e que agora defende as cores das elegantes camisas já vestidas e nada suadas por Sean Connery e Pierce Brosnan. Interessante.

Por que raios foram escolher um operário da construção civil para retratar o agente secreto mais conhecido do mundo? Operário ou encanador. Teve um lá em casa, de certa feita, que era a cara escarrada do homem. Cobrou uma fortuna. Mas deixou a descarga da privada funcionando bonitinho. Não creio que Craig conseguisse o feito.

007: licença para desentupir a pia.

Ou
007: licença para cair do andaime.

***
E adeus também para George W. Bush, embora ainda falte quase três meses para a posse do presidente Barack Hussein Obama. O filme W., do controvertido (quer dizer é danado de ruim quando lhe dá na telha) Oliver Stone, até que não é mau. Mais longo que o de 30 minutos do presidente Obama, mas custou mais barato. E tem o coração no lugar certo, conforme dizem por aqui. Lugar certo de coração é lá por perto dos países baixos onde é mais fácil dar e dói mais quando se leva um pontapé.

O jornal distribuído de graça no metrô, que tem o original título de Metro, relembra alguns "bushismos" que, nunca se sabe, talvez passem para a história. Cito alguns em memória das centenas de milhares de pessoas que perderam a vida na invasão e ocupação do Iraque e Afeganistão.

"É incrível que eu tenha vencido as eleições - eu disputava o cargo de presidente contra a paz, a prosperidade e a decência".

"Sei que homens e peixes podem conviver em paz".

"Nossos inimigos são inventivos e cheios de recursos. Nós também somos. Nossos inimigos nunca param de imaginar novas maneiras de fazer mal a nosso povo e nosso país. Nós também."
"A leitura é a base de todo conhecimento."
"É nas famílias que nossa nação deposita sua esperança, onde as asas se abrem para os sonhos."
"Raramente se faz a seguinte pergunta: nossos filhos 'está' aprendendo?" (Sim, sim: "está")
"Eu sei como é difícil botar comida na família da gente."
"Uma das melhores coisas dos livros é que as vezes há algumas ilustrações fantásticas".

"Eu tenho uma visão diferente de liderança. Uma liderança é alguém que une as pessoas."
"Compreendo o crescimento de um pequeno negócio. Eu já fui um deles."
"Se estivéssemos numa ditadura, tudo seria bem mais fácil... contanto que eu fosse o ditador".

"As relações fronteiriças entre o México e o Canadá nunca foram melhores."
"Nunca mais, aqui em Washington DC, eu quero ter que dar explicações que eu não entendo."
"Creio que estamos de acordo, o passado acabou."
"Trata-se obviamente de um orçamento. Está repleto de números."
"O Brasil é o país do futuro do pretérito."
***
Essa última eu inventei. Ou tomei emprestada a legenda e botei na boca do boneco. Minha maneira de passar o pé (trick) no eventual leitor que nem sequer se lembrou de me mandar um mimo (treat). Enganei uma porção de bobos na casca de uns dois ovos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.