Tamanho do texto

O diretor da organização ecologista Greenpeace para a Espanha, López de Uralde, e outros três ativistas vão continuar na prisão, em Copenhague, até o próximo dia 7 de janeiro, depois de terem entrado como penetras num jantar de gala. A justiça dinamarquesa rejeitou um recurso que pedia a liberdade do grupo.

Os quatro estão reclusos desde 17 de dezembro passado, em cumprimento à decisão do Tribunal Superior de Justiça da Dinamarca.

A polícia deteve os militantes do Greenpeace quando tentavam entrar no palácio de Christiansborg, onde estava sendo oferecido um jantar de gala pela família real dinamarquesa aos mais de cem chefes de Estado e de governo que participaram da cúpula do clima.

gr/ot/sd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.