Tamanho do texto

Por Maggie Fox WASHINGTON (Reuters) - Pesquisadores dos EUA desenvolveram uma forma mais segura de criar células-tronco a partir de células cutâneas comuns, dando um passo a mais na direção da chamada medicina regenerativa.

Em ratos, os cientistas usaram um vírus comum de resfriado para levar genes transformadores até células comuns, que então passaram a agir como células-tronco embrionárias.

A replicação dessa técnica em humanos poderia abrir as portas para uma forma mais segura de testar terapias celulares para tratar doenças como anemia das células ou o mal de Parkinson, segundo artigo publicado por Konrad Hochedlinger, do Hospital Geral de Massachusetts e da Escola Médica de Harvard (Boston), na revista Science que circula na quinta-feira.

As células-tronco funcionam como "manuais de instrução" do organismo, dando origem a todos os órgãos e tecidos do corpo. As células-tronco embrionárias são consideradas mais eficazes porque podem se transformar em qualquer espécie de célula.

Mas obtê-las exige recorrer a um embrião ou à clonagem, o que desperta objeções éticas de muita gente. O governo dos EUA restringe verbas públicas para esse tipo de pesquisa.

Nos últimos meses, vários grupos de cientistas relataram a descoberta de diversos genes capazes de transformar células comuns em células-tronco pluripotentes induzidas (células iPS, segundo a sigla em inglês). Tais células-tronco se parecem com as células embrionárias e se comportam como tais.

Para levar os genes necessários até as células, é preciso usar retrovírus, que integram seu próprio material genético às células infectadas. Isso pode ser perigoso, causando tumores e eventualmente outros efeitos colaterais.

Mas a equipe de Hochedlinger usou um vírus muito menos nocivo, chamado adenovírus, para levar os genes transformadores Oct4, Sox2, Klf4 e c-Myc para células da pele de ratos e também de células do fígado de fetos de rato. Em ambos os casos, foram obtidas células iPS.

"O legal dos adenovírus em contraste com os retrovírus é que eles entregam proteínas dentro das células, mas jamais irão integrar seu DNA ao das células", disse Hochedlinger por telefone.

Quando as células se dividem, elas diluem o vírus até que este desapareça, enquanto as alterações genéticas prosseguem, segundo ele.

Para testar as células eles produziram quimeras, uma mistura de dois animais diferentes. Injetaram as células recém-produzidas em embriões de ratos, e os filhotes resultantes tinham claros sinais das transformações genéticas esperadas.

"Isso resulta nesse padrão listrado de pêlo marrom, que vem das células iPS, e do pêlo preto que vem do tecido do embrião hospedeiro", explicou o cientista.

Até agora, esses ratos quiméricos não desenvolveram tumores. "Já estamos no processo de tentar fazer células iPS sem integração nas células humanas. É um pouco mais complicado, porque a reprogramação humana demora um pouco mais do que a reprogramação em ratos."

Se isso funcionar, algum dia talvez os médicos possam produzir tecidos sob medida, desenvolvidos em laboratórios para serem transplantados para pacientes com doenças degenerativas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.