Tamanho do texto

Presidenta argentina exibiu semblante saudável e demonstrou bom humor em primeira aparição após anúncio de diagnóstico de tumor

A presidenta argentina Cristina Kirchner agradeceu nesta quarta-feira as mensagens recebidas após ter sido diagnosticada com câncer na glândula tireoide , e fez uma menção especial ao seu colega venezuelano Hugo Chávez, que diz estar curado após ter enfrentado a doença.

Presidenta argentina, Cristina Kirchner, faz pronunciamento durante cerimônia na Casa Rosada em Buenos Aires
Reuters
Presidenta argentina, Cristina Kirchner, faz pronunciamento durante cerimônia na Casa Rosada em Buenos Aires

"Quero agradecer a todas as demonstrações de solidariedade, de carinho e de afeto, e também aos presidentes. Imaginem quem foi o primeiro a me ligar? Hugo Chávez Frias", disse.

Cristina exibiu um semblante saudável em sua primeira aparição pública após o anúncio que na próxima semana será submetida a uma cirurgia. Ela participou na Casa Rosada da assinatura de um acordo para refinanciar dívidas públicas com 17 governadores provinciais.

A presidenta afirmou também, em tom de brincadeira, que vai brigar pela Presidência honorária da Cúpula dos presidentes que venceram o câncer, que Chávez estaria criando em parceria com o ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva .

Leia também:
- Com Cristina Kirchner, câncer atinge sexto líder da América Latina

- Dilma deseja sorte para Cristina Kirchner na cura do câncer

Cristina disse que seus homólogos do Chile, Sebastián Piñera; da Colômbia, Juan Manuel Santos; e do Paraguai, Fernando Lugo, também mandaram mensagens. A presidenta Dilma Rousseff telefonou para Cristina e desejou sorte à colega argentina e disse que ela terá “força necessária” para enfrentar a doença.

Cristina, 58 anos, pediu o apoio da população durante o período em que estará de licença após a cirurgia que será realizada no próximo dia 4 de janeiro . A governante será operada na próxima quarta-feira no hospital Austral, um centro particular da cidade de Pilar, a 60 km ao norte de Buenos Aires, pelo médico Pedro Saco, um dos melhores especialistas argentinos neste tipo de câncer. E

Ela deve se afastar de suas funções por 20 dias, deixando o vice-presidente Amado Boudou em seu lugar. "Vamos continuar com a mesma força de sempre e todos os funcionários que iam tirar férias vão ter que ficar (no trabalho), essa é a má notícia que eu tinha para dar", afirmou.

Demonstrando bom humor por mais uma vez, ela brincou com o vice-presidente Boudou: "Cuidado com o que você faz!", disse, olhando o vice nos olhos, e antes de ressaltar a importância de um presidente e seu vice pensarem "da mesma maneira", em clara alusão a seu ex-companheiro de governo, Julio Cobos, com quem esteve em conflito na maior parte de sua primeira gestão (2007-2011).

Cristina Kirchner, que foi bastante aplaudida durante o ato, pediu aos governantes que "sigam trabalhando pelo país" e até se permitiu fazer advertências a empresários e sindicatos.

O porta-voz da Presidência da Argentina, Alfredo Scoccimarro, anunciou na terça-feira que um carcinoma papilar foi descoberto no lóbulo direito da glândula tireoide da presidenta.

O anúncio sobre a enfermidade de Cristina ocorre poucos dias depois de ela assumir o segundo mandato consecutivo - em 10 de dezembro -, após vitória esmagadora na eleição de outubro, e pouco mais de um ano depois da morte de seu marido, o ex-presidente Néstor Kirchner, falecido em outubro de 2010.

Os médicos estão muito otimistas sobre a recuperação da presidente porque, segundo explicaram, esse é o tipo de câncer com mais possibilidades de cura. "De 90 a 98 por cento dos afetados ficam curados", disse o oncologista Júlio Moreno a uma rádio local.

O porta-voz da Presidência informou ter sido constatada a "ausência de comprometimento nos gânglios linfáticos e a inexistência de metástase" e acrescentou que o câncer foi detectado em 22 de dezembro, durante a realização de "exames médicos rotineiros de controle".

O prefeito de Buenos Aires, o conservador Mauricio Macri, se disse "comovido" pela notícia, mas destacou que a saúde da presidente tem uma "perspectiva positiva".

"Esperemos que tudo saia bem. Desejo uma rápida recuperação para que em breve a tenhamos trabalhando conosco", declarou em um breve contato com os jornalistas.

O governador da província de Buenos Aires, o peronista Daniel Scioli, ressaltou a "coragem" da chefe de Estado para enfrentar esta situação e pediu através do Twitter que "os argentinos" colaborem "mais do que nunca" durante sua convalescença.

Com Ansa, EFE e Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.