Tamanho do texto

Mulher perdeu criança dias após o naufrágio; médicos associaram aborto ao estresse provocado pelo acidente

Uma mulher grávida, passageira do Costa Concordia, perdeu o bebê que esperava, após o naufrágio do navio, ocorrido em 13 de janeiro passado na ilha italiana de Giglio, razão pela qual pede uma indenização de um milhão de euros à empresa Costa, noticiou a imprensa italiana.

Saiba mais: Operadora do Costa Concordia admite que comandante errou

Naufrágio ocorreu na costa italiana em janeiro
AP
Naufrágio ocorreu na costa italiana em janeiro
Cristina M., de 30 anos, estava no quarto mês de gravidez quando decidiu fazer o cruzeiro a bordo do Costa Concordia. Ela perdeu o bebê dias depois da catástrofe e os médicos explicaram a ela que o motivo do aborto natural tinha sido o estresse que sofreu durante o naufrágio.

A passageira se salvou conseguindo deixar o navio em um bote salva-vidas.Seus advogados anunciaram a intenção da cliente de se juntar aos processos coletivos apresentados pelo naufrágio e pedem, em nome da mulher, uma indenização por perdas e danos no valor de um milhão de euros à Costa Crociere, companhia proprietária do navio e filial do grupo americano Carnival.

O Costa Concordia navegava com 4.229 pessoas a bordo (3.200 turistas de 60 nacionalidades e mil tripulantes), quando bateu contra uma rocha em frente à ilha de Giglio, situada em um arquipélago protegido da Toscana.O naufrágio deixou 17 mortos e outras 15 pessoas desaparecidas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.