Tamanho do texto

A confiança do consumidor cresceu pela primeira vez nos Estados Unidos desde o início de 2007, segundo o Índice Global de Confiança do Consumidor da empresa de consultoria de mercado Nielsen publicado nesta quarta-feira. O resultado, no entanto, contrasta com outra apuração, feita pela organização americana Conference Board de pesquisas econômicas, que nesta semana afirmou que a confiança do consumidor americano caiu em outubro.

De acordo com a Nielsen, a confiança do consumidor está crescendo em todo o mundo - o índice global saltou de 77 pontos, seis meses atrás, para 86 pontos. Hong Kong, Coreia do Sul e Brasil foram os países que, respectivamente, apresentaram maior crescimento de confiança.

"Um aumento de nove pontos no índice global significa um bem-vindo retorno a um território positivo", disse James Russo, vice presidente de Global Consumers Insights da Nielsen. Para ele, este aumento representa uma mudança de postura e os consumidores parecem acreditar que o mundo está deixando a recessão para trás e caminhando em direção à recuperação.

O índice divulgado nesta quarta-feira mostra um retorno a quase o mesmo nível da primeira metade de 2008, antes da pior fase da crise econômica.

Neste mês, 66% dos consumidores globais entrevistados disseram que a economia de seu país está em recessão, em comparação com 71% em abril passado, mas para muitos consumidores da Ásia e América Latina, a recessão está se tornando coisa do passado, afirma a consultoria.

A pesquisa, feita pela internet entre os dias 26 de setembro e 16 de outubro, entrevistou mais de 30.500 usuários em 54 países. O índice da Nielsen é baseado na confiança do consumidor no mercado de trabalho, status de suas finanças pessoais e propensão a gastar.

Brasil
No Brasil, o índice aumentou 12 pontos, registrando 108 (um índice acima de 100 é considerado otimista), colocando o país em quinto lugar no ranking de confiança do consumidor, atrás da Índia, Indonésia, Noruega e Vietnã.

"A pesquisa reflete o ritmo da recuperação econômica nos últimos seis meses, especialmente no Brasil e em alguns mercados asiáticos", disse Russo.

Ente os chineses, 87% dos entrevistados acreditam que o país saiu da recessão. Essa também foi a percepção de 60% dos ouvidos na Austrália, Hong Kong e Noruega. No Brasil, Índia e Chile, cerca de metade dos entrevistados disse acreditar que a recessão chegou ao fim.

A confiança dos brasileiros é a mais alta na América Latina, segundo o índice. "Como último país a entrar em recessão e entre os primeiros a se recuperar, o Brasil essencialmente retornou aos níveis de produção industrial pré-crise", disse Russo.

"O nível de emprego está aumentando e, junto com isso, o consumo. Os brasileiros se sentem muito otimistas sobre o futuro: as Olimpíadas de 2016 combinadas à Copa do Mundo de 2014, além de novos projetos de energia, garantem um alto nível de investimento em infra-estrutura nos próximos anos, e os consumidores, acertadamente, se sentem confiantes em relação à economia."
Cautela
Apesar do aumento de confiança, a Nielsen afirma, no entanto, que os consumidores ainda estão preocupados em não gastar muito, principalmente nos Estados Unidos e Europa, onde a taxa de desemprego permanece alta.

Em alguns países, afirma a consultoria, os hábitos dos consumidores parecem ter mudado permanentemente, e nas regiões citadas, o sentimento em relação à recuperação econômica permanece moderado.

"O crescimento da confiança do consumidor de quatro pontos nos Estados Unidos no terceiro trimestre - o primeiro aumento desde o início de 2007 - não se traduziu em confiança de gastos para a grande maioria dos consumidores americanos", disse Russo.

"Claramente, esta recuperação vai ser manifestada em gastos comedidos enquanto os consumidores trabalham para equilibrar suas contas."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.