Tamanho do texto

A província de Bagdá vive o Ramadã menos sangrento dos últimos três anos, embora os episódios de violência sejam mais numerosos do que nos meses precedentes, informou o comandante do Exército americano nessa área, general Jeffery Hammond, nesta sexta-feira.

Nos primeiros 21 dias do mês do jejum muçulmano, foram registrados cerca de 60 ataques na província de Bagdá, contra 800, em 2006; e 500, em 2007, declarou Hammond, em entrevista coletiva.

"Ou seja, apenas uma média de 4,2 ataques por dia este ano", comemorou.

O general admitiu que setembro vive um "leve aumento da violência", mas "é o mês do Ramadã", tradicionalmente muito mais brutal do que os outros.

Hammond explicou a redução "pela crescente eficácia das forças de segurança iraquianas", que combatem os insurgentes junto com as tropas americanas e que, a cada dia, "recebem mais informações da população" sobre as atividades rebeldes.

O envio de tropas adicionais, a partir do início de 2007, as operações de grande envergadura contra os grupos armados xiitas e contra a Al-Qaeda e a aliança com grupos sunitas permitiram aos americanos reduzir a violência no Iraque até seu patamar mais baixo, em quatro anos.

"Apesar das vitórias que temos obtido, estamos longe de ter acabado", completou.

Leia mais sobre Ramadã

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.