Tamanho do texto

Órgão responsável pela cobrança de impostos e multas foi alvo de ataque na última sexta-feira

Um grupo anarquista assumiu na sexta-feira a responsabilidade por uma carta-bomba que feriu horas antes o chefe de uma agência tributária italiana, disseram fontes policiais. O mesmo grupo já era suspeito de ter enviado uma carta-bomba remetida a um banqueiro na Alemanha, mas que foi interceptada na quarta-feira sem explodir.

Leia também: Pacote-bomba deixa um ferido em prédio público italiano

A carta-bomba da sexta-feira explodiu na sede da Equitalia, órgão responsável pela cobrança de impostos atrasados e multas tributárias. Seu diretor-geral, Marco Cuccagna, perdeu parte de um dedo e sofreu uma lesão num olho, mas sua vida não corre risco.

Policial inspeciona carro após explosão de pacote-bomba na Itália
Reuters
Policial inspeciona carro após explosão de pacote-bomba na Itália

Fontes policiais disseram que a bomba vinha acompanhada de um bilhete em nome da Federação Anarquista Italiana (FAI). As fontes disseram que um bilhete semelhante estava junto do pacote-bomba enviado a Josef Ackermann, executivo-chefe do Deutsche Bank.

A carta enviada a Ackermann falava em "três explosões contra bancos, banqueiros, pulgas e sanguessugas", segundo autoridades alemãs.

Há cerca de um ano, a FAI assumiu a autoria de pacotes-bombas enviados às embaixadas da Suíça e do Chile em Roma, que deixaram dois feridos. Em março deste ano, o mesmo grupo foi responsável por uma carta-bomba que feriu duas pessoas numa entidade nuclear suíça.

Em nota, o primeiro-ministro italiano, Mario Monti, disse que Cuccagna foi ferido ao cumprir seu "dever" de oferecer "uma função pública essencial ao funcionamento do Estado".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.