Tamanho do texto

Local, que foi ponto de encontro de responsáveis por ataques nos EUA em 2001, é interditada por manter atividades pró-Jihad

AP
Pedrestre caminha na frente de mesquita Taiba, que foi fechada pela polícia em Hamburgo, no norte da Alemanha
As autoridades alemãs fecharam nesta segunda-feira a mesquita Taiba, em Hamburgo, local que foi ponto de encontro de responsáveis pelos atentados do 11 de Setembro de 2001, como o suposto líder da ação, Mohammed Atta.

O porta-voz do Ministério do Interior de Hamburgo, Ralf Kunz, anunciou que a mesquita foi interditada pela avaliação de que ela  continua sendo um centro de atividades pró-Jihad (Guerra Santa). Também foi fechado o centro cultural árabe que funcionava dentro do templo.

Segundo Manfred Murck, responsável pelo serviço de Inteligência local, a mesquita tinha se transformado em um "lugar simbólico" para jihadistas e era utilizado para reuniões de fundamentalistas islâmicos. A Inteligência de Hamburgo calcula que vivem na cidade 45 jihadistas que mantêm contato com colegas de Frankfurt, Berlim, Bonn e outras localidades alemãs.

A mesquita Taiba estava sob observação dos serviços secretos havia meses e, nos últimos tempos, tinha registrado uma crescente atividade religiosa de supostos radicais, especialmente jovens alemães convertidos ao Islã.