Tamanho do texto

Moscou, 15 nov (EFE).- As autoridades da região separatista da Abkházia denunciaram hoje uma nova tentativa de incursão por parte de forças georgianas na região fronteiriça de Gali, antes povoada majoritariamente por georgianos.

"Nos altos da região de Gali, na fronteira com a Geórgia, aconteceu um confronto entre guardas fronteiriços abkhazes e sabotadores georgianos", informou à agência "Interfax" o representante do líder da Abkházia em Gali.

Segundo os dados preliminares, "um dos sabotadores morreu e outros dois ficaram feridos", acrescentou.

"As forças georgianas retornaram à Geórgia após o conflito armado", afirmou.

A Abkházia denunciou várias tentativas por parte de Tbilisi desde o fim do conflito na região separatista de Ossétia do Sul, ocorrido de 8 a 12 de agosto.

No início de outubro, sete soldados russos morreram e outros ficaram feridos em uma explosão ocorrida no quartel-general das forças de paz russas em Tskhinvali, capital da Ossétia do Sul.

Por esta razão, os separatistas abkhazes anteciparam que assinarão em breve um acordo fronteiriço com a Rússia para que unidades do Serviço Federal de Segurança (FSB, antigo KGB) patrulhem os 80 quilômetros de fronteira com o restante do território georgiano administrado por Tbilisi.

Além disso, o líder da Abkházia, Sergei Bagapsh, disse que a república abrigará duas bases militares russas, no aeroporto de Gudauta e no porto naval de Ochamchira, que poderá receber parte da Frota do Mar Negro russa.

Após reconhecer a independência de ambas as regiões e estabelecer com elas relações diplomáticas, a Rússia assinou com a Abkházia e a Ossétia do Sul acordos de amizade, cooperação e assistência mútua em caso de agressão.

O presidente russo, Dmitri Medvedev, classificou os acordos - semelhantes aos que a União Soviética assinou com os países-membros do Pacto de Varsóvia - de "históricos" e de "continuação lógica" da vitória russa no conflito contra a Geórgia. EFE io/fh/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.