Honduras
Reprodução/Twitter
Segundo informações, Hernandez realizou teste para Covid-19 no último dia 16 de junho em casa

O presidente de Honduras, Juan Orlando Hernández, e sua mulher, Ana García, estão infectados com o novo coronavírus. O próprio governante anunciou, nesta terça-feira (16), na televisão, que os testes de ambos e de mais dois assessores deram positivo para a Covid-19. Honduras, com uma população de 9,3 milhões de habitantes, registra 9.656 casos e 330 mortes provocadas pela doença.

Leia também
Brasileiros consideram que país é o pior no combate à pandemia, diz pesquisa
"Está chegando a hora de tudo ser colocado no devido lugar", diz Bolsonaro
Grupo de 16 pessoas contrai Covid-19 após celebrar fim da quarentena em bar

Hernández se junta a um pequeno número de dirigentes mundiais que anunciaram ter pego a Covid-19 . O  primeiro-ministro Boris Johnson, do Reino Unido, deu positivo em março e passou três noites em terapia intensiva . O primeiro-ministro Mikhail Mishustin, da Rússia, disse ter tido um resultado positivo em abril, e o primeiro-ministro Nikol Pashinyan, da Armênia, disse que ele e sua família pegaram o vírus no início de junho.

Várias mulheres dos principais líderes mundiais também foram infectadas, incluindo Sophie Grégoire Trudeau, esposa do primeiro-ministro Justin Trudeau, do Canadá; Olena Zelenska, esposa do Presidente Volodymyr Zelenskiy, da Ucrânia; e Begoña Gómez, esposa do primeiro ministro Pedro Sánchez, da Espanha.

Acredita-se que o Irã tenha o maior número de funcionários do governo infectados pelo novo coronavírus, incluindo o vice-presidente Masoumeh Ebtekar.

O hondurenho Hernández disse que estava recebendo tratamento, estava bem o suficiente para continuar trabalhando remotamente e que seria examinado novamante para determinar os próximos passos. Ele disse que os médicos recomendaram descanso e que, no momento, sua mulher está "assintomática".

"Sinto força e energia suficientes para continuar em frente e vencer essa pandemia", disse ele, que também pediu aos hondurenhos que continuem a seguir as diretrizes de distanciamento social . "Por causa do meu trabalho, não fui capaz de ficar 100% em casa. Confio em Deus, nos médicos hondurenhos e na medicina".

No mesmo pronunciamento de TV, Hernández lamentou que o sistema hospitalar local tenha "entrado em colapso" por causa do grande número de infectados. Mas disse que nesta terça-feira unidades das Forças Armadas deixariam San Pedro Sula e a capital, centros com maiores infecções, para atender os doentes em suas casas.

Desde o início da pandemia, em meados de março, Hernández está à frente da estratégia de combate e prevenção ao coronavírus. Mesmo com toque de recolher estabelecido em 16 de março, para forçar o isolamento social, a pandemia vem crescendo em Honduras . O governo levou as Forças Armadas e a polícia às ruas para pressionar a população a ficar em casa.

Em muitas aparições públicas, o presidente promoveu o isolamento social, o uso de máscaras faciais e a lavagem das mãos. Ele aparecia usando máscara facial e a suspeita é que ele tenha sido infectado durante uma visita ou reunião de trabalho.

Nascido em 28 de outubro de 1968 em uma família rural de classe média baixa em Lempira, JOH, como é conhecido popularmente, ocupa a Presidência hondurenha pelo segundo mandato consecutivo de quatro anos.

Ele venceu as eleições de 2013 para o período 2014-2018 e, embora a Constituição proíba a reeleição, membros da Câmara eliminaram esse obstáculo, decidindo a favor de um recurso apresentado por um grupo de deputados relacionados ao presidente. A Suprema Corte, cuja composição foi mudada por Hernández, avalizou a decisão.

A questionada interpretação constitucional lhe permitiu concorrer novamente e ele tomou posse em janeiro de 2018, após fortes protestos da oposição, que denunciou fraude nas eleições de novembro de 2017.

    Veja Também

      Mostrar mais