Agência Brasil

Jeanine Áñez assumindo a presidência da Bolívia arrow-options
Reprodução/Twitter @OscarOrtizA
Jeanine Áñez ocupa a presidência após vácuo de poder na Bolívia

O governo interino da Bolívia suspendeu nesta sexta-feira (24) as relações diplomáticas com Cuba. A decisão foi comunicada pelo chanceler interino do país, Yerko Núñez, que classificou de inadmissíveis as expressões utilizadas pelo chanceler cubano ao referir-se à presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez.

Leia também: Primeiro deputado negro da Alemanha recebe ameaça assinada com saudação nazista

O chanceler cubano , Bruno Rodríguez, escreveu em sua conta no Twitter, no dia 22, que "a golpista e autoproclamada" presidente interina disse "vulgares mentiras e "deveria explicar ao povo que, após a saída dos médicos cubanos, mais de 454.440 atendimentos médicos deixaram de ser feitos".

Rodríguez disse ainda que "dois meses sem a brigada médica cubana na Bolívia se traduz em quase 1000 mulheres que não tiveram assistência especializada em seus partos e 5000 intervenções cirúrgicas e mais de 2.700 cirurgias oftalmológicas que não foram realizadas. Não são apenas números, são seres humanos".

Leia também: Papa tem reunião de uma hora com vice de Trump

Em coletiva de imprensa hoje, em La Paz, o chanceler boliviano interino afirmou que a decisão de suspender as relações diplomáticas "obedece às recentes e inadmissíveis expressões do chanceler Bruno Rodríguez Parrilla, à permanente hostilidade e constantes queixas de Cuba contra o governo constitucional boliviano e seu processo democrático".

    Veja Também

      Mostrar mais