Tamanho do texto

Números de procedimentos do tipo feitos em brasileiras no ano de 2018 aumentou 27,7% em relação ao ano anterior, fazendo com que nacionalidade ultrapassasse cabo-verdianas

equipamentos arrow-options
Publico / Reprodução
Brasileiras são as pessoas de nacionalidade estrangeira que mais procuram clínicas de aborto

Dados da Direção-Geral da Saúde de Portugal demonstraram que o número de brasileiras que fizeram abortos no país europeu em 2018 aumentou em 27,7% se comparado ao ano de 2017. Ao todo, 571 mulheres, residentes ou não no país, fizeram o procedimento no ano retrasado.

Com o aumento do número de brasileiras fazendo o procedimento, essa se tornou a nacionalidade estrangeira que mais aborta em Portugal. O posto era ocupado pelas cabo-verdianas. Os dados foram divulgados pelo jornal Folha de S.Paulo nesta terça-feira (7).

Leia também: Pai volta atrás e não permite aborto de filha grávida aos 10 anos, no Acre

Em contramão ao crescimento do aborto entre as brasileiras , o número geral de abortos no país decresceu em quase 4%, alcançando marca de 14,9 mil casos envolvendo pedido de mulheres, fetos com doenças graves e gestações que apresentavam risco de vida para as gestantes.

O aborto foi discriminalizado em Portugal no ano de 2007 e é realizado de forma gratuita em qualquer mulher com até dez semanas de gestação que esteja no território, incluindo imigrantes (legais ou ilegais) e turistas.