Tamanho do texto

Ex-presidente é investigada por assinar documento que teria coberto terroristas iranianos que atacaram associação judaica

Cristina Kirchner arrow-options
Reprodução/LaNacion
Cristina Kirchner ainda responde por crimes de corrupção

A Justiça argentina anulou nesta segunda-feira (23) a prisão preventiva da ex-presidente e atual vice, Cristina Kirchner , por um memorando assinado em 2013 por ela que teria acobertado terroristas iranianos que atacaram uma associação judaica em Buenos Aires . O ataque deixou 85 pessoas mortas e ocorreu em 1994.

A anulação da prisão preventiva do suposto crime, que teria permanecido impune graças a um pacto entre o executivo de Kirchner e o governo do país persa, partiu do Tribunal Penal Federal 8.

O acordo — que na Argentina foi declarado inconstitucional e no Irã não foi validado — teve como objetivo estabelecer uma investigação conjunta sobre o ataque à AMIA mútua de Buenos Aires, cuja autoria é atribuída ao grupo Hezbollah e às exaltados encargos iranianos.

Leia também: Em posse, Fernández pede “nunca mais” ao uso político da Justiça na Argentina

Embora, há dois anos, o magistrado federal Claudio Bonadio tenha ditado a acusação da atual vice-presidente por crimes de traição e encobrimento agravado e tenha pedido sua prisão, essa medida não pôde ser executada devido ao foro privilegiado que Kirchner tinha por estar no cargo de senadora.

O caso começou após uma denúncia do promotor Alberto Nisman, que alguns dias depois de fazer a acusação contra Fernández foi encontrado em seu apartamento com um tiro na cabeça, uma morte que ainda não foi esclarecida e gera grande controvérsia no país. 

A investigação do memorando com o Irã também levou a depor em julho como testemunha o atual presidente argentino, Alberto Fernández, que assumiu o cargo em 10 de dezembro em uma chapa formada com Kirchner.