Hóstia
Reprodução
Em 20 de janeiro de 2020, balanço com mais detalhes sobre o caso será divulgado em Roma.

A Congregação mexicana dos Legionários de Cristo admitiu que 33 sacerdotes cometeram abusos sexuais contra 175 menores de idade. O fundador da entidade, o padre Marcial Maciel, está na lista e seria responsável por ao menos 60 casos de pedofilia. Os crimes teriam ocorrido durante toda a existência da entidade, fundada no México, em 3 de janeiro de 1941.

Leia mais: Vaticano recebeu mil denúncias de abusos sexuais em 2019

O balanço consta em um relatório, resultado de uma investigação interna, que será oficialmente divulgado no dia 20 de janeiro, em Roma . "Com isto, os Legionários de Cristo desejam dar um passo à frente ao confrontar sua história para conhecer e reconhecer o fenômeno do abuso sexual de menores e favorecer a reconciliação com as vítimas", diz o documento.

O relatório também informou que os 33 sacerdotes identificados como responsáveis por abusos sexuais representam 2,44% dos 1.353 legionários ordenados durante toda a história da congregação.

Leia também: Papa Francisco diz que igreja está atrasada e pede reformas

Dos 33 sacerdotes, seis já morreram, incluindo Maciel. Oito deixaram o sacerdócio, um saiu da congregação e 18 ainda são membros dos Legionários de Cristo. A congregação, considerada ultraconservadora, foi alvo de diversas denúncias ao longo dos anos, inclusive contra Marcial Maciel, que morreu em 2008, nos Estados Unidos. Ele era acusado de ter tido uma filha, fruto de uma relação secreta, além de ter abusado sexualmente oito seminaristas.

Em 2010, o papa Bento XVI ordenou medidas contra os Legionários de Cristo e, quatro anos depois, a entidade fez um pedido coletivo de "perdão".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários