Tamanho do texto

Assisi foi preso pela PF em julho e teria ligações com a Ndgrangheta na Itália

Agência Brasil

STF arrow-options
José Cruz/ABr
STF

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta terça-feira (17) autorizar a extradição do italiano Patrick Assisi, condenado a mais de 30 anos de prisão por tráfico de drogas pela Justiça da Itália. De acordo com a Polícia Federal (PF), ele teria ligações com a Ndrangheta, máfia que atua na Calábria.

Em julho, por determinação do STF, Assisi foi preso pela PF em Praia Grande (SP), onde morava em uma cobertura de luxo. No dia da prisão, os agentes apreenderam armas, munições, três quilos de cocaína, maços de euros e dólares e R$ 770 mil, além de celulares e documentos falsos.

Leia também: Desaparecido há 10 anos, corpo de homem é encontrado dentro do freezer da esposa

O grupo mafioso Ndrangheta, com origem na região da Calábria, sul de Itália, controlaria 40% dos envios globais de cocaína, representando o principal esquema criminoso importador para a Europa. Assisi estava foragido desde de 2014, com passagens por Portugal e Argentina.

O italiano deve continuar preso na penitenciária federal em Brasília até o fim do trâmite legal da extradição, que deve ser efetivada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública.