Donald Trump tem processo de impeachment julgado na Câmara dos Estados Unidos
Agência Brasil
Donald Trump tem processo de impeachment julgado na Câmara dos Estados Unidos


A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos começou nesta quarta-feira (18) a votação da instauração de um processo de impeachment contra o presidente Donald Trump, que é acusado de abuso de poder e obstrução do Congresso. Na primeira votação do dia, os democratas rejeitaram as objeções dos republicanos, permitindo que o debate continuasse. O partido do presidente acusava a oposição de perseguição.

A investigação foi conduzida pela Comissão de Inteligência da Câmara, enquanto a de Justiça elaborou o texto das denúncias contra Donald Trump . A sessão começou por volta de 11h (horário de Brasília), com um debate de cerca de uma hora sobre as regras de votação.


Leia também: Papa abole segredo pontifício para casos de abusos feitos por clérigos

Por volta de 13h, terá início o debate em plenário sobre as acusações, previsto para durar seis horas. Cada uma das denúncias será votada separadamente, e sua aprovação é dada como certa, já que a oposição democrata tem maioria na Câmara.

Segundo o jornal The New York Times , o partido tem pelo menos 218 votos garantidos, exatamente o que é necessário para instaurar o processo de impeachment - os democratas contam com 233 dos 435 assentos na Casa.

Leia também: Tramitação do Brexit será retomada em 20 de dezembro

Se as acusações forem aprovadas, o julgamento acontecerá no Senado, dominado pelo Partido Republicano e onde a condenação dependerá do aval de maioria qualificada de dois terços. Ao contrário do que acontece no Brasil, o presidente permanece no cargo durante o processo.

Você viu?

No cenário atual, é improvável que Trump sofra o impeachment. O Partido Republicano conta com 53 senadores, número mais do que suficiente para evitar a deposição do presidente. "Eles querem me tirar (não estou preocupado) e ainda estão violando a lei de muitas maneiras. Como eles podem fazer isso e ainda remover um presidente muito bem-sucedido e que não fez nada de errado? Esse pessoal é louco", escreveu Trump no Twitter.

Richard Nixon renunciou antes da conclusão do processo de impeachment, em 1974
Divulgação
Richard Nixon renunciou antes da conclusão do processo de impeachment, em 1974


Na última terça (17), em carta enviada à presidente da Câmara, Nancy Pelosi, o magnata acusou a oposição de declarar "guerra contra a democracia americana" e promover um "golpe de Estado ilegal". Pelosi definiu a mensagem de Trump como "ridícula".

Acusações

Trump é acusado de ter pressionado o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, a anunciar uma investigação contra Joe Biden, pré-candidato à Casa Branca e cujo filho, Hunter, foi conselheiro de uma empresa ucraniana de gás, a Burisma. Para alcançar seu objetivo, o magnata teria congelado uma ajuda militar de quase US$ 400 milhões a Kiev.

Em um telefonema em 25 de julho, Trump pediu para Zelensky investigar os Biden, mas não mencionou a ajuda militar, que estava bloqueada na época. Já a acusação de obstrução se refere à postura do presidente de instruir membros do governo a não testemunharem no Congresso e não fornecerem documentos oficiais.

Andrew Johnson: o primeiro presidente norte-americano a enfrentar um processo de impeachment
Divulgação
Andrew Johnson: o primeiro presidente norte-americano a enfrentar um processo de impeachment


A Constituição dos EUA estabelece que um presidente pode ser removido do cargo por "traição, propina ou outros crimes e contravenções graves". Essa última tipologia é definida de forma vaga, mas o Congresso costuma levar em conta três tipos de conduta: uso do cargo para obter ganhos financeiros, abuso de poder ou agir de maneira incompatível com a função.

Bill Clinton consegiu se salvar do impeachment na Câmara
AP
Bill Clinton consegiu se salvar do impeachment na Câmara


Até hoje, apenas dois presidentes foram submetidos a processos de impeachment: Andrew Johnson (1868) e Bill Clinton (1998), ambos absolvidos - Richard Nixon renunciou em 1974, evitando um afastamento iminente por causa do escândalo "Watergate". Donald Trump entra no meio deste furacão.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários