Lenín Moreno e as lideranças indígenas se reuniram por cerca de quatro horas neste domingo (13)
Reprodução/Twitter Lenín Moreno
Lenín Moreno e as lideranças indígenas se reuniram por cerca de quatro horas neste domingo (13)

O presidente do Equador, Lenín Moreno, anunciou neste domingo (13) que o governo e os líderes indígenas chegaram a um acordo para o fim dos protestos no país. Moreno cancelou o decreto que havia dado início às manifestações e as duas partes trabalharão juntas em um novo decreto.

encontro entre o governo do Equador e as lideranças indígenas foi facilitado pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela Igreja Católica. Ao fim da reunião, Arnaud Peral, representante da ONU no Equador leu o acordo entre as partes. "Com este acordo, as mobilizações e medidas em todo o Equador são de fato encerradas e nos comprometemos a restaurar a paz no país", disse.

“Uma solução para a paz e para o país: o governo substituirá o decreto 883 por um novo que contenha mecanismos para concentrar recursos naqueles que mais necessitam. Se recobra a paz e o golpe correísta e a impunidade são detidos!”, escreveu Lenín Moreno em seu perfil no Twitter.

O governo do Equador publicou o decreto 883 há 12 dias. Ele fazia parte de uma série de ajustes econômicos feitos em acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI). A medida  retirava subsídios dos combustíveis, o que gerou aumento de até 123% no preço da gasolina e provocou as manifestações. 

Leia também: Mercosul e Prosul apoiam governo do Equador e pedem fim dos protestos

Os protestos  deixaram sete mortos, 1.340 feridos e 1.152 presos, de acordo com a defensoria pública equatoriana. Além disso, em função dos tumultos, Lenín Moreno deslocou a capital do país para Guayaquil e decretou toque de recolher e a militarização de Quito.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários