Cursos se manifestam contra ataques turcos na cidade síria de Kobane
Reprodução/Twitter Florencia Guarche
Cursos se manifestam contra ataques turcos na cidade síria de Kobane

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, anunciou nesta quarta-feira (9) em seu Twitter o início da invasão no nordeste da Síria para combater forças curdas. A ofensiva se tornou possível após a decisão do mandatário dos Estados Unidos, Donald Trump, de retirar as tropas americanas da região.

Leia também: Afeganistão anuncia morte de um dos líderes da Al-Qaeda

A coalizão dos curdos  Forças Democráticas da Síria (SDF) foi a principal aliada dos EUA na luta contra o Estado Islâmico no país árabe e controla hoje o nordeste da nação, área que faz fronteira com a Turquia.

Erdogan teme que a criação de um território autônomo curdo na Síria fortaleça movimentos separatistas em seu país, que abriga boa parte dos cerca de 30 milhões de membros dessa etnia, considerada o maior povo sem pátria no mundo.

Erdogan  alega que o objetivo da ofensiva é combater as Unidades de Proteção Popular (YPG), milícia que integra as SDF e é ligada ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), organização considerada como terrorista por Ancara, pelos EUA e pela União Europeia.

Você viu?

Leia também: Casa Branca afirma que não vai cooperar com investigação da Câmara sobre Trump

"As Forças Armadas turcas, ao lado do Exército Nacional Sírio, acabam de lançar a Operação Primavera de Paz contra o PKK/YPG e os terroristas do Estado Islâmico no norte da Síria. Nossa missão é evitar a criação de um corredor do terror ao longo de nossa fronteira sul e levar paz à região", disse Erdogan no Twitter.

Segundo ele, a invasão busca criar uma "zona de segurança" na divisa entre os dois países e "facilitar o retorno de refugiados sírios para suas casas". "Vamos preservar a integridade territorial da Síria e liberar comunidades locais dos terroristas", prometeu.

A ação tem o apoio do Exército Nacional Sírio, grupo rebelde contrário ao regime do presidente Bashar al-Assad. As autoridades curdo-sírias, por sua vez, convocaram toda a população da região a se dirigir à fronteira com a Turquia para "cumprir seu dever moral de resistência neste momento histórico e delicado".

Leia também: Hong Kong não descarta pedir ajuda da China para conter protestos

"Caças turcos lançaram ataques sobre áreas civis. Há um grande pânico na população da região", escreveu no Twitter um porta-voz dos combatentes curdos . Já Donald Trump disse que seu objetivo com a retirada era sair de "ridículas guerras sem fim", mas ameaçou "destruir" a economia da Turquia se o país agir "fora dos limites".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários