Tamanho do texto

Shatika e Alicia Lawson foram presas por homicídio culposo após policiais encontrarem o corpo do pequeno Malachi Lawson, de 4 anos, dentro de lixo

Casal arrow-options
Reprodução/Facebook
Shatika e Alicia Lawson, mães do pequeno Malachi Lawson, morto durante banho quente

Um casal de mulheres foi acusado ​​de homicídio culposo (quando não há intenção de matar) e abuso infantil em primeiro grau, na cidade de Baltimore, nos Estados Unidos, após o corpo de Malachi Lawson, de 4 anos, filho de uma delas, ter sido encontrado numa lixeira. Uma audiência nesta segunda-feira (9) negou para ambas a possibilidade de liberdade por pagamento de fiança.

Leia também: Traficantes deram corpos de oito jovens a porcos, aponta investigação no Rio

De acordo com a imprensa local, a polícia de Baltimore encontrou o corpo de Malachi Lawson, filho de Alicia e de sua companheira, Shatika Lawson, em uma lixeira na manhã do último sábado (7). De acordo com a autópsia, ele sofreu queimaduras graves em toda a parte inferior do corpo enquanto sua mãe lhe dava banho .

Durante nove dias, Alicia e Shatika tentaram cuidar dele sem qualquer ajuda. A mãe da criança alegou aos policiais que decidiu não acionar as autoridades para evitar que o menino fosse levado pelos Serviços de Proteção à Criança. Ela explicou que temia que isso ocorresse porque ela tinha um histório negativo com a entidade.

Alicia contou ainda ter pedido um carro de aplicativo, por meio do qual ela levou o corpo do filho até uma lixeira nas proximidades de onde morava. Segundo o FBI , a mulher fez buscas na web por sites de coleta de lixo no dia em que descobriu que o menino estava morto, na última quinta-feira.

Ainda que a polícia tenha constatado que a água da banheira da residência da família não estava esquentando quase nada, o advogado de Shakita Lawson esclareceu, no tribunal, que o casal pediu que zelador do prédio consertasse o problema da alta temperatura após Malachi ter sofrido as fortes queimaduras.

Leia também: Assistindo a "Chaves", Bolsonaro garante que voltará ao trabalho nesta terça

"Elas puderam ver a pele do corpo dele flutuando na água depois que o tiraram da banheira", apontaram os investigadores. Agora, Alicia e Shatika podem ser condenadas à prisão perpétua .