Ministro polonês
Reprodução/Twitter
Ministro polonês


VARSÓVIA — Em mais um escândalo a atingir a Polônia , meses antes das eleições gerais de outubro, o vice-ministro da Justiça pediu demissão após reconhecer que estava por trás de uma campanha para espalhar rumores sobre a vida privada de juízes críticos ao governo.

 Uma reportagem publicada pelo site de notícias Onet trouxe conversas entre Lukasz Piebiak e uma mulher chamada Emilia, na qual discutiam planos para mandar informações sobre o juiz  Krystian Markiewicz  para ser publicada em veículos pró-governo. Markiewicz é um dos principais críticos do Partido da Lei e Justiça, que comanda ogoverno.

Leia também: Perdido na 'Vaza Jato'? Relembre o que rolou em cada episódio dos vazamentos

A reportagem ainda afirma que Lukasz Piebiak deveria informar um “ chefe ” sobre os resultados da campanha de boatos, sem identificar quem seria este superior. Alguns afirmam que este “chefe” seria o ministro da Justiça, Zbigniew Ziobro .

As revelações provocaram uma onda de críticas na Polônia, especialmente da oposição, que exigia a saída de todos os citados na matéria. Até agora, apenas Piebiak apresentou seu pedido de demissão.

Em entrevista para a rede de TV TVN24 , o juiz Markiewicz se mostrou preocupado com as revelações.

Leia também: Sob pressão da extrema-direita, primeiro-ministro da Itália renuncia ao cargo

"Estamos lidando com ações sistemáticas contra juízes, contra o Estado de Direito na Polônia. Se um ataque como este pode ser feito contra juízes e professores, pode ser feito contra qualquer um."

Escândalos em série

O escândalo é mais um envolvendo o partido do governo nas últimas semanas. No começo do mês, o presidente do Parlamento teve que renunciar após revelações de que ele usou aeronaves oficiais para viagens privadas. 

Leia também: "Em 30 dias, família Bolsonaro está mais enrolada que PT em 39 anos", diz Haddad

Mesmo liderando as pesquisas para as eleições de outubro, oultranacionalista Partido da Lei e Justiça é alvo frequente de críticas da oposição e da Comissão Europeia, que vê com preocupação a série de reformas adotada desde 2015, quando chegou ao poder.

Algumas das mudanças atingiram em cheio o poder Judiciário, levando a punições de juízes independentes e, mais recentemente, a uma lei que poderia forçar a aposentadoria de mais um terço dos integrantes da Suprema Corte . Em junho, a Corte Europeia de Justiça considerou que a legislação violava a lei da União Europeia.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários