Tamanho do texto

Documento preliminar apontou que houve uma possível falha em software da aeronave e que pilotos seguiram "várias vezes" os procedimentos

Avião Ethiopian Airlines
Pixabay
Documento preliminar eximiu pilotos da Boeing de culpa no acidente

 Um relatório preliminar sobre a investigação da queda do Boeing 737 Max 8 , da Ethiopian Airlines, revelou nesta quinta-feira (4) que o os pilotos seguiram "várias vezes" os procedimentos recomendados pela companhia para controlar o avião.

De acordo com o documento, a tragédia com a aeronave da Boeing , que deixou 157 mortos, pode ter ocorrido devido a uma falha no software do sistema de controle automático de voo. Apesar de seus esforços, os pilotos "não conseguiram controlar a aeronave", informou a ministra dos Transportes da Etiópia, Dagmawit Moges, durante coletiva de imprensa.

Leia também: Gol mantém encomenda de 135 aeronaves do mesmo modelo que caiu na Etiópia

Segundo ela, "o sistema de controle de voo da aeronave deve passar por uma revisão".
Após a revelação do relatório, o presidente-executivo da Ethiopian Airlines , Tewolde GebreMariam, disse estar "muito orgulhoso" do "alto nível de desempenho profissional" dos pilotos, que "cumpriram todos os procedimentos de emergência".

No último 10 de março, um jato da Ethiopian Airlines matou 157 pessoas perto de Adis Abeba, capital da Etiópia . Antes disso, no dia 29 de outubro, um acidente parecido com a Lion Air já havia custado a vida de outros 189 passageiros na Indonésia.

Leia também: Boeing promete 'fazer de tudo' para prevenir novos acidentes aéreos

As tragédias fizeram com que a Boeing suspendesse as operações desse modelo de aeronave para realizar uma atualização do software antiestol do 737 MAX. Após as mudanças, agora a companhia trabalha para capacitar os pilotos e garantir que o problema possa ser contornado caso volte a acontecer em algum voo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.