Tamanho do texto

Uma escola funcionava no último andar do prédio que desabou; 10 crianças já foram resgatadas; ainda não se sabe o motivo do desmoronamento

Prédio de três andares que desabou na Nigéria abrigava uma escola no piso superior
Reprodução/Twitter
Prédio de três andares que desabou na Nigéria abrigava uma escola no piso superior

Um prédio onde funcionava uma escola em Lagos, na Nigéria, desabou por volta das 10 horas (horário local) nesta quarta-feira (13). O governo regional informou que ao menos 100 pessoas estão soterradas. Equipes de emergência foram acionadas e ao menos 10 crianças já foram resgatadas dos escombros, segundo o jornal local Punch.

Leia também: Queda de avião mata 157 pessoas na Etiópia; piloto tentou voltar ao aeroporto

A escola funcionava no último piso de um prédio de três andares que, por sua vez, está em uma das áreas mais populosas de Lagos, que é a capital comercial e uma das maiores cidades da Nigéria . Os alunos estavam nas salas de aula quando o prédio ruiu.

Até agora ainda não há informações mais detalhadas sobre as possíveis causas do desabamento . O governador de Lagos, Akinwunmi Ambode, afirmou que o edifício era registrado como residencial e que a escola funcionava irregularmente no local. 

No Twitter, alguns cidadãos que acompanhavam os resgates registraram imagens e vídeos do local do tragédia.





Leia também: Tornados atingem a região sudeste dos EUA e deixam ao menos 23 mortos no Alabama


O colapso do edifício, no entanto, não é uma novidade na Nigéria. O país registra frequentemente desmoronamentos como este em função da utilização de materiais de má qualidade nas construções e da fraca regulação no setor imobiliário.

Leia também: Atentado com caminhão-bomba deixa mortos e feridos na capital da Somália

Em setembro de 2014, 116 pessoas morreram quando um prédio de seis andares caiu também em Lagos. Em dezembro de 2016, pelo menos 60 pessoas morreram quando o teto de uma igreja desabou em Uyo, outra cidade da Nigéria . Ocorrências similares também aconteceram em 2011 e 2018.