Tamanho do texto

Presidente da República Popular da China afirma que a independência traria um "desastre profundo" para o povo taiwanes: "É um beco sem saída"

O presidente da China, Xi Jinping discursou contra a independência de Taiwan:
Getty Images
O presidente da China, Xi Jinping discursou contra a independência de Taiwan: "Um beco sem saída"

O presidente da China, Xi Jinping, voltou a pedir a reanexação de Taiwan ao território chinês em um discurso nesta quarta-feira (2). De acordo com o líder chinês, o objetivo é uma "reunificação pacífica".

Leia também: Sobe para 68 o número de mortos por tempestade tropical nas Filipinas

"Estamos dispostos a criar amplo espaço para a reunificação pacífica, mas não deixaremos espaço para qualquer forma de atividade separatista", disse o líder da China . "Não prometemos renunciar ao uso da força e reservamos a opção de tomar todos os meios necessários", completou.

Apesar do tom irredutível, o discurso foi considerado menos ameaçador do que o que o presidente chinês fez em março do ano passado. Na ocasião, Jinping afirmou que o exército chinês estava preparado para lutar "uma batalha sangrenta contra os inimigos". O chefe de estado ainda disse que não cederia sequer um centímetro do território chinês.

Na fala desta quarta-feira, no entanto, o presidente chinês mudou de estratégia, e se dirigiu diretamente ao povo de Taiwan . Em uma espécie de apelo, ele prometeu uma reunificação com "um país e dois sistemas", mantendo a autonomia taiwanesa em algumas áreas. 

Leia também: Kim Jong-un envia carta ao presidente sul-coreano com intenção de paz

De acordo com Xi Jinping , a reunificação seria feita "respeitando e garantindo os interesses e o bem-estar dos irmãos taiwaneses". Ele voltou a subir o tom quando desenhou um possível cenário da separação oficial entre os países. "A independência só traria um desastre profundo para o povo de Taiwan", disse o presidente chinês. "É um beco sem saída", completou.

Xi Jinping discursou por conta da celebração do 40º aniversário de uma mensagem enviada a Taiwan em 1979, onde a China pediu a unificação e o fim do confronto militar.

A China considera Taiwan como parte de seu território, apesar de os dois lados serem governados separadamente. Taiwan, no entanto, se considera um Estado soberano. Os dois lados têm estreitas relações comerciais, culturais e pessoais.

Leia também: Nova caravana de imigrantes vai partir de Honduras para os Estados Unidos

Taiwan ainda não declarou sua independência formal da China , embora tenha sua própria moeda, bem como sistemas políticos e judiciais. Nesta terça-feira (1º) a presidente taiwanesa, Tsai Ing-Wen, disse que seu povo quer manter autonomia em relação aos chineses. "A China precisa respeitar o comprometimento de 23 milhões de taiwaneses com a liberdade e democracia", afirmou a líder do território.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.