Condenado à prisão perpétua, Aaron Barley terá que ficar pelo menos 30 anos na cadeia antes de seu caso ser revisto
Reprodução/Polícia de West Midlands
Condenado à prisão perpétua, Aaron Barley terá que ficar pelo menos 30 anos na cadeia antes de seu caso ser revisto


O morador de rua Aaron Barley, de 24 anos, foi condenado à prisão perpétua após confessar o assassinato de uma mulher e o filho adolescente, que haviam o resgatado das ruas no ano passado. Os assassinatos ocorreram na cidade de Stourbridge, West Midlands, no Reino Unido, em meados de março deste ano, mas o julgamento ocorreu apenas nesta quarta-feira (4).

Leia também: Trump expulsa 15 diplomatas cubanos por retaliação a ‘ataques acústicos’

Armado com uma faca, o morador de rua invadiu a casa da família. A mãe, Tracey Wilkinson, de 50 anos, recebeu 17 golpes, enquanto o filho, Pierce Wilkinson, de 13 anos, foi atingido oito vezes. O pai da família, Peter Wilkinson, chegou à sua residência e encontrou a esposa e o filho sem vida. Nesse momento, ele também foi atacado por Barley, mas felizmente foi socorrido a tempo e sobreviveu.

De acordo com o The Guardian , por mais que o agressor já tivesse antecedentes criminais e um histórico passado violento, as motivações para cometer o crime em questão permanecem desconhecidas. Ele se recusou a explicar os assassinatos e negou a realização de um teste toxicológico, assim, não há como trabalhar com a possibilidade de Barley estar sob efeito de entorpecentes durante os ataques. Da mesma forma, as análises psiquiátricas não encontraram nada que poderia justificar a atuação do homem ou livrá-lo da responsabilidade pelas mortes.

Tom Chisholm, da polícia de West Midlands, explicou que os assassinatos foram aleatórios e completamente inesperados.  “Esse foi um incidente muito chocante. Juntamos nossos esforços para entrevistar Barley, mas ele não quis cooperar e nem nos ajudou a compreender o que motivou este ataque horrível. Normalmente existe uma razão, mas este parece ter sido realmente muito aleatório”, detalhou.

Você viu?

Leia também: Após referendo, 300 mil protestam contra violência policial em Barcelona

A história de Aaron Barley com a família Wilkinson

Encontrado por Tracey em 2016, enquanto morava em uma caixa de papelão, Barley foi acolhido pela família. Eles o ajudaram a encontrar uma acomodação, o alimentaram durante muito tempo e também conseguiram um trabalho para o homem, que ocupava uma posição na empresa de Peter.

Tracey e Pierce Wilkinson foram atacados pelo morador de rua, em meados de março deste ano, e não sobreviveram
Reprodução/Polícia de West Midlands
Tracey e Pierce Wilkinson foram atacados pelo morador de rua, em meados de março deste ano, e não sobreviveram

Depois de passar o Natal com a família – e de escrever um cartão com a mensagem “para a mãe que eu nunca tive” –, ele ainda passou algum tempo na casa dos Wilkinson. No entanto, a situação passou a ficar complicada quando o britânico começou a usar drogas. Demitido de seu emprego, ele e a família se afastaram e a história parecia ter acabado ali. 

Entretanto, alguns detalhes foram levantados pela procuradoria durante o julgamento. Uma semana antes dos ataques, os Wilkinsons cancelaram um plano de telefonia móvel contratado para Barley. Durante a mesma época, Tracey também comentou com uma amiga que viu Barley nos arredores de sua casa, mas "não queria mais nada com ele".

Leia também: Após massacre a tiros, Trump foge de discussão sobre lei das armas nos EUA

Agora, condenado à prisão perpétua, o morador de rua terá que cumprir pelo menos 30 anos de prisão antes de seu caso ser reavaliado.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários