Tamanho do texto

Paul Horner ficou famoso durante a última campanha presidencial, por espalhar notícias falsas sobre Donald Trump e Hillary Clinton na internet

Conhecido como o rei das fake news, o escritor Paul Horner foi encontrado morto em sua própria casa
Reprodução/CNN
Conhecido como o rei das fake news, o escritor Paul Horner foi encontrado morto em sua própria casa

Você já ouviu falar que o ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama era gay ou que ele se tratava de um muçulmano radical que financiou pessoalmente o Museu da Cultura Muçulmana durante uma paralisação do governo federal? Isso tudo são notícias falsas, as chamadas fake news.

Leia também: Como uma embaixada falsa dos EUA funcionou por dez anos sem ser descoberta

Ambas as notícias foram divulgadas na internet pelo norte-americano Paul Horner, que ficou conhecido como o "rei das fake news ". Ele foi encontrado morto nesta quarta-feira (27), aos 38 anos, em sua própria casa, em Laveen, no Arizona. 

De acordo com o porta-voz do xerife do condado de Maricopa, Mark Casey, o corpo de Horner foi achado na cama de sua casa. Segundo o oficial, há indícios de que ele morreu há cerca de 10 dias.

A causa da morte não ficou clara, mas os médicos legistas acreditam que o escritor faleceu de overdose de remédios, já que ele possui um histórico de uso compulsivo de medicamentos.  Os resultados precisos da autópsia, no entanto, podem demorar de três a seis meses.

Em sua homenagem, o irmão de Paul Horner, JJ Horner, postou em sua rede social um texto emocionado. 

"Ele nos deixou pacificamente em seu sono, na segunda-feira, 18 de setembro, na casa de nossa mãe em Laveen. Ele era um filho e um irmão amoroso, um artista , um escritor heroico e contador de histórias. Sobretudo, ele era o homem mais amado e generoso que já conheci. Ele sentirá grande falta. Descansa em paz, irmão. Eu te amo muito, eu sei que você está lá em algum lugar", concluiu.

Leia também: Não caia nessa! STF não 'liberou roubo de celulares que custem menos de R$ 500'

Notícias falsas

Horner foi um dos grandes contribuidores das notícias falsas, tão citadas pelo atual presidente norte-americano, Donald Trump .

Em um desses boatos que inventou, Horner afirmava que o ex-presidente Barack Obama era gay e um muçulmano radical. Sua fama, porém, foi construída quando ele focou nos candidatos à presidência, nas eleições de 2016.

O escritor ganhou destaque por veicular diversas notícias falsas sobre os até então candidatos Donald Trump e Hillary Clinton.

Em vida, Horner acreditava ainda que Donald Trump só foi eleito por causa das fake news que inventou, pois os leitores publicavam as suas "notícias" sem verificar se era verdade.

Leia também: História de criança encontrada com vida sob escombros no México é falsa

* Com informações da Agência Ansa.

    Leia tudo sobre: donald trump