Tamanho do texto

Processo de independência da Espanha foi oficialmente iniciado em 2015 e sua continuidade depende agora de referendo marcado para 1º de outubro

Catalunha deu início a processo separatista em 2015, após Parlamento decidir ignorar governo da Espanha
Junts pel Sí
Catalunha deu início a processo separatista em 2015, após Parlamento decidir ignorar governo da Espanha

Os partidos separatistas da Catalunha, que possuem maioria no Parlamento local, apresentam nesta segunda-feira (28) o projeto de lei que define os passos rumo à independência dessa região da Espanha. A aplicação das normas, no entanto, vai depender do resultado do referendo independentista previsto para o dia 1º de outubro.

Leia também: Plebiscito do Reino Unido renova esperanças de grupos separatistas no Brasil

A chamada "Lei de Transitoriedade Nacional" representa o principal projeto para regular o marco legal da desvinculação da região. O texto tem apoio da coalizão Juntos pelo Sim (JxS), que atualmente governa a Catalunha , e os independentistas radicais da Candidatura de Unidade Popular (CUP).

Mesmo que a aplicação das leis dependa da vitória do "sim" no referendo marcado para outubro – ao qual o governo espanhol e o Tribunal Constitucional se opõem –, parte dos partidos que patrocinam o projeto defende que o texto seja aprovado pelo Parlamento já no mês que vem. A informação é da agência EFE .

Processo separatista avança após catalães tirarem Madri do caminho

governo da Espanha proibiu a realização de um primeiro referendo  separatista catalão em 2014. Apesar do impedimento, centenas de milhares de catalães participaram de uma consulta informal sobre a independência da região localizada no nordeste da Espanha , na fronteira com a França. O "sim" pela desvinculação catalã venceu o pleito com 80% dos votos.

Após o episódio, o Parlamento da Catalunha aprovou em novembro de 2015  uma moção na qual declara o início do processo rumo à constituição de um "Estado independente sob a forma de república", abrindo uma crise com o governo de Madri, que passou a ser ignorado quanto ao processo de independência.

Abrigando grandes empresas e responsável por atrair grande número de turistas, a Catalunha é uma das zonas mais ricas do país e tem cerca de 7,5 milhões de habitantes. A economia da região já chegou a ser comparada à de Portugal e é um dos pilares do PIB espanhol.

O pleito pela desvinculação da região é antigo, mas sempre se ateve ao campo político, isto é, sem confrontos armados. Além do idioma próprio (catalão), os costumes e cultura da região se distanciam do restante da Espanha em diversos aspectos. Um bom exemplo são as touradas, tradição espanhola que é proibida no território da Catalunha.