Tamanho do texto

Procuradoria de Paris abriu uma megaoperação para encontrar o autor do atropelamento, que está sendo tratado como "tentativa de assassinato" com "fins terroristas"; seis pessoas foram feridas, mas não estão em estado grave

França mobiliza dispositivo antiterrorista para encontrar autor de atropelamento nesta quarta-feira
Reprodução/Twitter
França mobiliza dispositivo antiterrorista para encontrar autor de atropelamento nesta quarta-feira

Logo pela manhã, nesta quarta-feira (9), um veículo atropelou um grupo de militares do setor de antiterrorismo na França, que saiam de um quartel em Levallois Perret, perto de Paris. O responsável pelo atropelamento está sendo procurado por uma megaoperação da polícia da capital francesa.

Leia também: Homem explode carro próximo ao Palácio do Eliseu, e França já fala em terrorismo

O atropelamento – que está sendo tratado pela Procuradoria de Paris como uma "tentativa de assassinato relacionada com uma organização terrorista de pessoas que detêm autoridade pública e conspiração para fins terroristas" – aconteceu por volta das 8h locais (3h de Brasília) e deixou ao menos seis militares feridos.

Nenhum dos feridos, porém, está em estado grave. De acordo com a prefeitura local, quatro militares foram feridos de forma leve e dois com mais gravidade, mas não correm risco de morte.

As autoridades estão em busca do veículo, uma BMW de cor preta, que saiu do local em grande velocidade, e, por enquanto, nenhuma hipótese está descartada sobre a motivação do motorista. Sabe-se que apenas uma pessoa ocupava o veículo.

Há pouco, a emissora BFM-TV informou que apolícia francesa chegou a prender uma pessoa. Porém, ainda não está claro se esse homem é o autor da ação ou se participou do planejamento. Segundo a emissora, o suspeito foi preso em uma estrada próximo ao ataque e reagiu atirando contra os agentes. Ele foi ferido na ação e a megaoperação continua.

Ataque "intolerável" e "vergonhoso"

Em declarações à emissora France Info, o prefeito da localidade, o conservador Patrick Balkany, considerou intolerável e vergonhosa a agressão contra os militares.

Leia também: Quatro suspeitos de envolvimento com terrorismo são presos na França

Em outra entrevista à emissora BFMTV , Balkany assegurou que "se trata, sem dúvida, de uma ação deliberada" diante do quartel em que vivem 50 militares da Operação Sentinele, o dispositivo de vigilância antiterrorista mobilizado em todo o país.

Ainda de acordo com as primeiras informações cedidas pelo prefeito, o carro esperava em um beco próximo que os militares saíssem do quartel para iniciar sua ronda de vigilância e "acelerou com intensidade" quando os soldados apareceram, antes de fugir do local.

O quartel fica em frente a um parque, em uma região de pouco trânsito, e o carro do suposto agressor foi em direção aos militares na contramão.

Presidente deve visitar as vítimas

O presidente da França, Emmanuel Macron, está acompanhando a situação do Palácio do Eliseu, onde acontece reunião semanal do Conselho de Ministros. Segundo a agência EFE, não está descartada uma visita de Macron ao longo do dia ao hospital onde estão internados os militares feridos.

Se for confirmado o caráter voluntário da ação, este seria o quinto ataque contra a Operação Sentinelle, composto por cerca de 10 mil militares espalhados por todo o país para garantir a segurança contra ações terroristas após os atentados de 2015.

Leia também: Eleito na França, Macron foi a evento oficial no dia seguinte e assumiu rapidamente

O atropelamento acontece quatro dias depois de um jovem de 18 anos tentar invadir a Torre Eiffel com uma faca, aos gritos de "Deus é Grande" em língua árabe. O agressor, que foi rendido, tinha uma permissão de um hospital psiquiátrico em que estava internado, para onde voltou depois de ser examinado por especialistas.

* Com informações da Agência Brasil.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.