Tamanho do texto

Abusos aconteceram ao longo de dez anos, entre 1986 e 1996; acusado disse às vítimas que haviam sido afetadas pela radiação da tragédia de Chernobyl

John Beaumont pagou fiança e está em liberdade até ser sentenciado, mas deve ser preso por muitos anos pelo assédio
Reprodução/Manchester Evening News
John Beaumont pagou fiança e está em liberdade até ser sentenciado, mas deve ser preso por muitos anos pelo assédio

Um clérigo cometeu uma série de abusos com três vítimas, espetando suas genitais com agulhas hipodérmicas. John Beaumont admitiu ser culpado em nove acusações de assédio e uma acusação de agressão corporal contra duas mulheres e um homem.

Leia também: Médico britânico é preso no Camboja por envolvimento com prostituição infantil

No julgamento, que teve início nessa terça-feira (9) na Inglaterra, foi descoberto que o assédio se estendeu por um período de mais de dez anos, entre 1986 e 1996. Ele inseria agulhas hipodérmicas e, em uma ocasião, um tubo, nas genitais das vítimas.

O clérigo também causou dano corporal ao inserir uma agulha no braço do homem. Uma das mulheres era deficiente e, para ela, os abusos eram particularmente dolorosos, conforme foi constatado durante o julgamento.

Segundo o promotor Michael Brady, Beaumont é manipulador e foi assim que conquistou a confiança de suas vítimas. “Ele é um indivíduo muito inteligente, muito articulado, mas principalmente, muito manipulador”, disse.

Leia também: Professoras fazem sexo a três com aluno menor de idade e são julgadas nos EUA

Farsa

O acusado convencia as vítimas a tirarem a roupa parcialmente ou completamente para que pudesse assediá-los. O agressor afirmava que os três poderiam ter sido afetados pela radiação do acidente da usina de Chernobyl, na Ucrânia.

“Ele foi capaz de convencê-los de que precisavam passar por esses exames com agulhas hipodérmicas, dizendo ter visto um banco de dados daqueles que foram afetados pelo desastre de Chernobyl”, disse Brady.

Em uma ocasião, Beaumont usou uma caixa com fios e botões e afirmou que era um contador Geiger – usado para medir radiações – para fazê-los acreditar ainda mais na farsa criada por ele. Além disso, ele disse ter treinamento médico da época que foi pastor na Igreja da Escócia.

Leia também: Professor de canto é proibido de exercer profissão após abuso a aluna de 14 anos

Os crimes de Beaumont foram descobertos quando as vítimas reportaram as ofensas a assistentes sociais, com medo que ele repetisse os abusos. O agressor já foi condenado a mais de 40 casos semelhantes na Escócia.

O homem pagou fiança e permanecerá livre até 16 de junho, quando será oficialmente sentenciado. De acordo com o juiz responsável pelo caso, ele deve enfrentar uma longa sentença de prisão pelo assédio.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.