Tamanho do texto

Duas fazendas usadas para atividades de lazer por russos se tornaram alvos da Casa Branca como parte das medidas de uma disputa diplomática

Duas fazendas usadas para atividades de lazer por russos se tornaram alvos da Casa Branca
Reprodução/Google Maps
Duas fazendas usadas para atividades de lazer por russos se tornaram alvos da Casa Branca

Duas fazendas usadas para atividades de lazer por russos se tornaram alvos da Casa Branca como parte de uma série de medidas de uma disputa diplomática relacionada a ataques cibernéticos.

Mas o que acontece lá?

+ 4 perguntas para entender escalada de tensão EUA-Rússia em caso dos ciberataques

Os Estados Unidos anunciaram esta semana uma série de medidas contra a Rússia devido às suspeitas de interferência na eleição americana por meio de ataques cibernéticos (realizados por hackers).

Além da expulsão de 35 diplomatas russos, os EUA promoveram o fechamento de dois imóveis, nos Estados de Nova York e Maryland, usados pelo governo russo.

Os Estados Unidos afirmaram que eles eram usados para atividades de inteligência, mas não está claro se os locais estão ligados diretamente ao caso dos ataques cibernéticos.

Mas o que se sabe sobre os imóveis?

Estruturas de inteligência ou casas de veraneio?

Há uma divergência entre a Rússia e os EUA sobre o que são esses imóveis.

Uma autoridade do Departamento de Estado americano as classificou como complexos de inteligência protegidos por aparatos de segurança.

Mas o Ministério das Relações Exteriores da Rússia descreveu as duas propriedades como meras "dachas", o nome russo dado a casas de veraneio - uma imagem muito mais inocente.

Maryland

Segundo a imprensa americana, a propriedade em Maryland é um retiro usado pela embaixada russa.

O local fica a cerca de 100 quilômetros ao leste de Washington. Ele costumava pertencer a John J. Raskob, um executivo financeiro da General Motors que ajudou a financiar a construção do edifício Empire State.

Foi comprado pelo governo soviético em 1972 e usado como resort - o que gerou um temor infundado de que submarinos russos teriam sido vistos na baía.

+ Índia abre primeira escola para transgêneros

Jantares e presentes ajudaram a melhorar a relação dos russos com seus vizinhos.

"Não poderiam ser melhores. Eles (russos) não incomodam ninguém", disse um morador ao Washington Post em 1979.

Em 1987, um repórter do mesmo jornal visitou o local a convite de Oleg Sokolov, que trabalhava como ministro na embaixada soviética em Washington.

Ele escreveu uma reportagem relatando que o local tinha uma rede de câmeras de segurança e cercas, mas a atitude dos russos era muito aberta.

"Não temos nada a esconder aqui", disse Sokolov.

O jornalista descreveu que o complexo era formado por duas mansões, uma quadra de tênis, uma piscina, um campo de futebol, um ancoradouro e seis bangalôs - que estavam fechados. Cerca de 20 russos aproveitavam as instalações.

Quando a União Soviética se desfez, em 1991, o local foi vendido para a Rússia.

A Associated Press afirmou que uma das mansões foi reformada e transformada em 12 apartamentos. A agência disse ainda que foram construídas outras 12 casas, divididas em quatro apartamentos cada. A capacidade total era para 40 famílias, que pagavam uma pequena taxa de manutenção para usar o espaço.

Desde então, o local quase não voltou a aparecer na mídia - até agora.

Nova York

Grande parta da mídia americana voltou suas atenções para o imóvel de Nova York - uma grande casa chamada Killenworth.  A mansão tem 49 quartos e fica em Long Island, próximo a Manhattan.

+ Turistas levam sem-teto que conheceram nas ruas da Escócia para passar Natal na Suécia

Os russos tinham a propriedade há muito tempo. Autoridades americanas disseram ao jornal New York Times que o local ficava sempre vazio - exceto pelo movimento de alguns zeladores.

Segundo o jornal, o clima ficou tenso em 1982, quando o governo de Ronald Reagan acusou russos de espionar indústrias de defesa e tecnologia em Long Island.

O "Buzzfeed" apontou outra propriedade em Oyester Bay como pertencente à Rússia - além de afirmar que houve grande movimento de entrada e saída de veículos no local após o anúncio da Casa Branca.

Diplomatas americanos têm esse tipo de propriedades na Rússia?

Sim.

A chancelaria russa sugeriu o banimento de diplomatas americanos de suas propriedades de lazer em Serebryany Bor, perto de Moscou.

Mas o presidente Vladimir Putin optou por uma resposta mais amena:

"Não vamos privar suas famílias e crianças dos lugares onde normalmente passam os feriados de fim de ano. Além disso, eu convido todos os filhos de diplomatas americanos credenciados para visitar a árvore de Natal do Kremlin (sede do governo russo)".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.