Tamanho do texto

Equipamento localizado nesta terça-feira pode explicar acidente, mas ainda há outras duas caixas-pretas perdidas; queda da aeronave deixou 92 mortos

Avião que caiu na Rússia tinha 33 anos de operação, segundo autoridades do país; piloto era experiente
Divulgação/Tupolev
Avião que caiu na Rússia tinha 33 anos de operação, segundo autoridades do país; piloto era experiente

Mergulhadores encontraram nesta terça-feira (27) uma das caixas-pretas do avião militar que caiu no último domingo  (25) no Mar Negro, durante um voo entre Rússia e a Síria.

"Nas buscas na cabine do piloto, foi encontrada uma das caixas-pretas da aeronave. Ela será levada imediatamente à superfície", disseram as autoridades da Rússia . Outras duas caixas-pretas precisam ser encontradas ainda, pois contêm códigos e informações sobre o voo que podem desvendar as causas do acidente.

Além dos equipamentos, os mergulhadores russos encontraram no Mar Negro corpos e restos mortais de outros três passageiros. Até o momento, foram encontrados 12 corpos  das 92 pessoas que estavam a bordo do avião.

Os serviços de resgate já haviam localizado anteriormente os destroços da cauda do avião, onde está o gravador digital que contém dados do voo. O processo de retirada desse fragmento da aeronave do mar ainda está em andamento.

A aeronave, de modelo Tupolev-155, havia decolado de Moscou e deveria seguir para uma base militar em Latakia, na Síria, onde os russos têm uma grande presença militar. O avião pousou na cidade de Adler, perto de Sochi, para reabastecer e caiu no Mar Negro pouco após decolar novamente.

Até o momento se sabe que o avião não conseguiu ganhar altitude e chegou a fazer uma meia-volta no céu antes de desaparecer dos radares e cair a seis quilômetros da costa, segundo informações da agência Sputnik Brasil.

Estavam a bordo 64 membros do conjunto Alexandrov (Alexandrov Ensemble), o coral do exército russo, que faria uma apresentação para as tropas que estão na Síria na noite de ano novo. Além deles, estavam no avião militares e nove jornalistas. No total, eram 84 passageiros e oito integrantes da tripulação.

Investigações

As autoridades investigam a causa do acidente e não descartam nenhuma hipótese , nem mesmo a de terrorismo – apesar de não haver até o momento nenhum indício de que o acidente tenha sido provocado intencionalmente.

O governo da Rússia crê que há mais chances de o acidente ter sido provocado por uma falha técnica ou erro humano do que um ataque externo. A imprensa russa divulgou trechos de um áudio da tripulação com os controladores de voo que demonstra que havia problemas a bordo.

*Com informações da Ansa e da Sputnik Brasil


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.