Tamanho do texto

Avião que estava indo a Trípoli fez pouso em aeroporto de Malta após dois passageiros ameaçarem explodir bomba manual. Autoridades afirmaram que aeronave está com os motores ligados e cercado de seguranças; veja mais

Um avião da companhia aérea Afriqiyah Airways que fazia um voo interno na Líbia foi sequestrado nesta sexta-feira
Reprodução/Malta Times
Um avião da companhia aérea Afriqiyah Airways que fazia um voo interno na Líbia foi sequestrado nesta sexta-feira

Um avião da companhia aérea Afriqiyah Airways, que fazia um voo interno na Líbia, foi  sequestrado nesta sexta-feira (23), após realizar um desvio da rota, indo em direção a Malta, onde acabou fazendo o pouso. O país fica a 350 km do norte de Trípoli, que seria o destino original da aeronave. 

LEIA MAIS:  Sobrinho de vereador baiano é procurado após morte violenta de uma jovem em SP

A aeronave está na pista do aeroporto de Malta com os motores ligados. Uma mulher e uma criança, que estavam dentro do avião , desembarcaram. Nenhuma demanda foi realizada até o momento pelos dois sequestradores que, de acordo com o site "Malta Times", seriam pró-Kadafi. Ainda de acordo com a imprensa local, houve ameaças de explosão de bombas manuais. 

O avião de modelo Airbus A320 estaria com mais de 110 pessoas a bordo (entre 111 e 118), sendo, pelo menos, 82 homens, 28 mulheres e uma criança - provavelmente, todos de orígem líbia.  

O piloto teria feito seu último contato com a base alguns minutos antes do desvio à rota. De acordo com Malta Times, os dois passageiros seriam pró-Gaddafi, mas nenhum pedido foi realizado até o momento. 

LEIA TAMBÉM:  Suspeito de ataque terrorista em Berlim é morto em Milão, diz ministro italiano

O primeiro-ministro de Malta, Joseph Muscat, confirmou a informação em seu Twitter. "Informado da possível situação de sequestro em um voo interno líbio desviado para Malta. Operações de segurança e emergência em espera", escreveu.

Todos os voos do aeroporo de Malta foram cancelados na manhã desta sexta-feira. 

* Com informações da Malta Times, Agência Brasil e Ansa. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.