Tamanho do texto

Imigrante paquistanês de 23 anos foi apontado como suspeito na noite desta segunda-feira (20), sendo detido. Ataque deixou 12 mortos e 48 feridos

O ataque que matou 12 pessoas foi apontado como terrorista, segundo a presidente do país, Angela Merkel
Reprodução/BBC
O ataque que matou 12 pessoas foi apontado como terrorista, segundo a presidente do país, Angela Merkel

O homem de 23 anos, que foi detido na noite desta segunda-feira (19), apontado como principal suspeito pelo ataque terrorista na cidade de Berlim foi liberado pela polícia por falta de evidências. Segundo o canal “CNN”, os investigadores alemães afirmaram que “não existem provas suficientes contra o suspeito”.

LEIA MAIS:  Europa teme que outros mercados de Natal estejam sob a mira do Estado Islâmico

Segundo os oficiais, o paquistanês que foi detido pode não ser o motorista do caminhão que entrou em uma feira de natal, atropelando e matando 12 pessoas, além de ferir outras cinquenta. Desse modo, o responsável pelo ataque terrorista ainda é desconhecido, estando solto.

"Até onde eu sei, não se pode ter certeza de que [ele] era o motorista. Estamos particularmente alertas. Por favor, esteja também alerta", disse o comandante da polícia de Berlim, Klaus Kandt. Inicialmente, a polícia tinha informado que o suspeito foi preso após ser perseguido por cerca de 2 km por uma testemunha, que manteve contato por telefone com a polícia.

As autoridades da Alemanha tinham apontado o paquistanês como principal suspeito na noite desta segunda-feira (20) e, horas depois, o homem foi detido, apesar de negar participação no ataque com o caminhão.

Mais cedo, o chefe de polícia de Berlim afirmou que "não havia evidências claras de que o paquistanês preso após o atropelamento em um mercado de Natal, em Berlim, seja realmente o motorista do veículo".

O ministro do Interior da Alemanha, Thomas de Maiziere, disse nesta terça que o suspeito detido é originário do Paquistão e tinha solicitado asilo para permanecer na Alemanha  como refugiado. Porém, a análise de seu pedido ainda não havia sido concluída, mas seu nome também não aparece em nenhum banco de dados de terrorismo, informou Maiziere. 

“Eles parecem estar correndo em círculos nesta investigação. Podemos dizer que é um cenário de caçada, uma corrida contra o tempo para prendê-lo antes que volte a cometer crimes novamente”, disse o especialista em terrorismo Paul Cruickshank ao canal americano.

LEIA TAMBÉM:  Embaixador russo morre após ser baleado em atentado na Turquia; veja vídeo

O ataque foi apontado como ato terrorista, segundo confirmou a chanceler do país, Angela Merkel. Agora, a pergunta que aparentemente continua sem ser respondida é: quem está atrás do ataque que deixou 12 pessoas mortas e 48 feridas?  Até agora, nenhum grupo terrorista reivindicou responsabilidade do atentado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.