Tamanho do texto

Vídeo mostra 47 meninos e meninas implorando para serem retiradas com segurança da cidade, palco de uma ofensiva das tropas do presidente sírio

BBC

Nos últimos dias, negociações para cessar-fogo que possibilitasse a chegada de ajuda humanitária a Alepo fracassaram
Reprodução/ BBC
Nos últimos dias, negociações para cessar-fogo que possibilitasse a chegada de ajuda humanitária a Alepo fracassaram

Um vídeo em que um grupo de 47 crianças órfãs pede para sair da cidade sitiada de Alepo se transformou em mais um exemplo da dramática situação da população civil no local.

LEIA MAIS: Alepo registra bombardeios um dia após acordo de cessar-fogo na Síria

As crianças falam sobre seu medo diante de ataques aéreos e da artilharia e imploram para serem retiradas com segurança da cidade, palco de uma ofensiva das tropas leais ao presidente sírio, Bashar al-Assad.

Veja o vídeo:


Nos últimos dias, negociações para um cessar-fogo, que possibilitasse a chegada de ajuda humanitária a Alepo, fracassaram, mas na tarde desta quinta-feira (15) a Cruz Vermelha anunciou o início de uma operação de retirada. A organização calcula que pelo menos 50 mil pessoas estejam isoladas na região leste da cidade.

LEIA MAIS:  Retirada de civis e rebeldes de Aleppo é suspensa após violação de cessar-fogo

De acordo com a agência de notícias "Reuters", um comboio de ônibus foi visto deixando Alepo. O conflito na Síria chegou à cidade em 2012, e desde então ela tem sido palco de grandes batalhas entre rebeldes e soldados leais a Assad.

Mas desde novembro, as forças governistas iniciaram uma ofensiva que empurrou os rebeldes para uma pequena área de 2,5 quilômetros quadrados.

LEIA MAIS: Depois de Aleppo, o que acontece com a Guerra na Síria?

Nos últimos dias, moradores de Alepo vêm manifestando o temor de se tornarem alvo de atos de violência por parte dos combatentes a serviço de Assad. Os rebeldes negociam com o governo sírio para eventualmente deixar a cidade de forma pacífica.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.